Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2014

INFORME - CONVENÇÃO 169 DA OIT

Imagem
CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL 54ª Legislatura - 4ª Sessão Legislativa Ordinária PAUTA DE REUNIÃO ORDINÁRIA AUDIÊNCIA PÚBLICA DIA 03/06/2014    LOCAL: Anexo II, Plenário 06 HORÁRIO: 14h30min A - Audiência Pública: Tema: "Debater sobre a revogação do Brasil à subscrição da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT)". Convidados: LUIZ ALBERTO FIGUEIREDO MACHADO - Ministro de Estado das Relações Exteriores - MRE;(confirmado) Coronel RODRIGO MARTINS PRATES - Assessor da Seção de Políticas Setoriais da Subchefia de

PFDC participa de evento sobre povos e comunidades tradicionais em BH

PFDC participa de evento sobre povos e comunidades tradicionais em BH 27/05/2014 19:50 O procurador federal dos Direitos do Cidadão participou do encontro entre membros do MPF e do MP/MG sobre direitos de povos e comunidades tradicionais Na última semana, membros do Ministério Público Federal e do Ministério Público de Minas Gerais (MP/MG) se reuniram em Belo Horizonte (MG) para dialogar sobre os diretos de povos e comunidades tradicionais. O encontro foi realizado com o apoio da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), da Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU) e do Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Profissional do MP estadual. A abertura do Encontro, no dia 22 de maio, foi feita pela subprocuradora-geral da República e coordenadora da 6ªCCR, Deborah de Macedo Duprat, em mesa composta também pelo procurador federal dos Direitos do Cidadão, Aurélio Rios, pelo procurador regional dos Dir

TRECHOS DA HISTÓRIA II

Melo Morais Filho (op. cit.) coletou mais de 500 trovas de autoria dos ciganos. Ele as dividiu em três tipos: as elegíacas (kachardins), mais propriamente tristes e que primam pelo subjetivismo e pela sentença; líricas (kambulins) e as funerárias (merendins). Vejamos exemplo de cada uma delas, na ordem citada: Até nas flores se encontra A diferença na sorte! Umas enfeitam a vida, Outras enfeitam a morte! De contínuo ver frustrar Tanta crença e esperança, Té de um Deus a fé se perde, Quem espera e não alcança. Como as aves vagueiam No seio da noite escura, Assim serão meus suspiros Sobre a tua sepultura.

TRECHOS DA HISTÓRIA

E louvando em um dos maiores ciganólogos brasileiros: “...o cruzamento com as três raças existentes efetuou-se, sendo o cigano a solda que uniu as três peças de fundição da mestiçagem atual do Brasil”. (Mello Morais Filho, Os ciganos no Brasil, p. 27) E vou afirmar agora e em outras páginas deste trabalho que cigano nunca foi escravista e que levou a culpa sem reclamar. Deus! Ó Deus! Onde estás que não respondes? Em que mundo, em qu’estrela tu t’ escondes Embuçado nos céus? Há dois mil anos te lancei meu grito, Que embalde desde então corre o infinito... Onde estás, Senhor Deus?... Que tem este poema e os ciganos em comum? Há estreita relação. Primeiramente, o poema é de Castro Alves [2] (1847-1871), em Vozes d’África. Inicio por ele porque diz muito. É uma metáfora que lembra Jesus pregado na cruz, quando, segundo o Evangelho, em desespero e dor teria perguntado: “Pai, por que me abandonaste?” Castro Alves, com sua vibrante poesia, fez um apelo à sensibilidade dos

MARCO DA EDUCAÇÃO POPULAR

22.05.2014 - Ministro Gilberto Carvalho assina portaria que institui o Marco da Educação Popular 22 de Maio de 2014 Na manhã desta quinta-feira, 22, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República (SG-PR), Gilberto Carvalho, assinou a portaria que institui o Marco de Referência da Educação Popular para as Políticas Públicas. A assinatura aconteceu durante o Seminário Nacional de Educação Popular em Saúde, que integra a programação da Arena de Participação Social, que está sendo realizada no Centro Internacional de Convenções de Brasília (DF). A educadora Nita Freire, mestre e doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) foi homenageada durante o lançamento do Marco. “Para mim é uma honra estar nesta solenidade do Marco de Referência da Educação Popular para as Políticas Públicas, que é, na verda

DIA NACIONAL DOS CIGANOS

Imagem
AMSK/Brasil

Retrato humano de um monstro

Imagem
Retrato humano de um monstro                                              MIRANDA SEYMOUR - O Estado de S.Paulo Rainha da Colina é o título original, em alemão, da biografia da filha ilegítima de Liszt, amante e - mais tarde - mulher de Richard Wagner. A colina foi o lugar em que se construiu o teatro no qual, desde 1876, é realizado o Festival de Bayreuth, pago pelo rei Ludwig II e idealizado em Wahnfried, casa da família Wagner - onde, mais tarde, Hitler se tornaria hóspede querido e habitual. Por mais que cause repugnância a política adotada em Wahnfried, é inegável a fascinação exercida pela casa de Wagner e, sobretudo, da obsessiva e implacavelmente manipuladora Cosima. Documentos importantes continuam guardados a sete chaves na escuridão para a qual a viúva de Wagner os enviou. Oliver Hilmes, no entanto, fez um trabalho magnífico de pesquisa, conseguindo desenterrar o suficiente para contar uma história tenebrosa - e deixar o restante implícito. Cosima nasce

Richard Wagner: o gênio musical e a sombra do antissemitismo

Imagem
Richard Wagner: o gênio musical e a sombra do antissemitismo   http://www.dw.de/richard-wagner-o-g%C3%AAnio-musical-e-a-sombra-do-antissemitismo/a-16821764 continua aqui, seguindo o link acima. O célebre compositor alemão, cujo bicentenário é lembrado em 2013, foi um fervoroso antissemita. Ao mesmo tempo, admirava judeus como o poeta Heinrich Heine e teve mecenas e admiradores de origem judaica.  Zurique, ano de 1850. "O judeu", escreveu Richard Wagner, seria por si próprio "incapaz de se expressar artisticamente". Tal expressão, de acordo com um dos compositores mais famosos da história alemã, não funcionaria "nem pela aparência [do judeu], nem pela sua linguagem, e muito menos através de seu repertório musical". O judeu, segundo Wagner, que completaria 200 anos nesta quarta-feira (22/05), só seria mesmo capaz de copiar arte. Em seu panfleto O judaísmo na música , ele não escondeu o seu desprezo. Quando Wagner publicou essas linhas

DIA NACIONAL DO CIGANO - 2014

Imagem
Dia 24 de maio se aproxima. Nele, a certeza de uma construção que caminha para frente. Com ele a possibilidade de uma vida mais equilibrada, mais real e antes de tudo, mais verdadeira para a pauta cigana no Brasil. A valorização da cultura de um povo, de uma nação, passa pelo reconhecimento de toda uma identidade. AMSK/Brasil, ajudando a construir um Brasil Romani, de fato e de direito.

CIGANOS NO PANAMÁ

Imagem
Delegação brasileira Entre os delegados de 22 países da América Latina e Caribe, estão presentes os representantes brasileiros:  o presidente Nacional da Pastoral dos Nômades do Brasil – Mobilidade Humana, dom José Edson Santana Oliveira; Dom Jose Carlos   Chacorowski,  da  pastoral Rodoviária;  padre Wallace Zanon, padre Jorge Pierozan, Zanata Dantas e Marcondes Dantas,  da Pastoral dos Nômades, e as religiosas Rosita Milesi e Claudina Scapini, do Setor de Mobilidade Humana da CNBB .   http://www.saojudasbh.com.br/Noticia/452  AMSK/Brasil

CONSTRUINDO UMA IDENTIDADE II

Imagem
CONSTRUINDO UMA IDENTIDADE - PARTE II Uma identidade real  Na contramão do estereótipo, poderíamos até dar exemplos mirabolantes, daqueles que elevam o ego. Nomes de profissionais famosos de etnia romani. Assim, poderíamos fazer aquela pergunta que ninguém faz, mas que afeta muitas mentes pensantes: “se você considera fulano ou beltrano o máximo; porque odeia tanto os ciganos?” O que acontece então com o cotidiano, com a vida normal, com o ir e vir dos dias? Simples; esse cidadão brasileiro de etnia romani, está aí, lutando, trabalhando e construindo seus dias, sem abrir mão de sua identidade. Pois bem, esse é um trecho da vida do Rogério Silva, cidadão brasileiro de etnia romani – um calon com muito orgulho e que até a pouco tempo atrás, andava de barraca, não por vocação ou por mero destino de todo cigano, mas por necessidade, por condição imposta a ele; condição essa imposta por anos, séculos de discriminação e preconceito, afastando toda e qualquer con