Pular para o conteúdo principal

PFDC participa de evento sobre povos e comunidades tradicionais em BH



PFDC participa de evento sobre povos e comunidades tradicionais em BH
27/05/2014 19:50

O procurador federal dos Direitos do Cidadão participou do encontro entre membros do MPF e do MP/MG sobre direitos de povos e comunidades tradicionais

Na última semana, membros do Ministério Público Federal e do Ministério Público de Minas Gerais (MP/MG) se reuniram em Belo Horizonte (MG) para dialogar sobre os diretos de povos e comunidades tradicionais. O encontro foi realizado com o apoio da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), da Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU) e do Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Profissional do MP estadual.

A abertura do Encontro, no dia 22 de maio, foi feita pela subprocuradora-geral da República e coordenadora da 6ªCCR, Deborah de Macedo Duprat, em mesa composta também pelo procurador federal dos Direitos do Cidadão, Aurélio Rios, pelo procurador regional dos Direitos do Cidadãos em Minas Gerais Edmundo Dias e pela promotora da Justiça Nívia Mônica Silva, Coordenadora do Centro de Apoio Operacional (CAO) de Direitos Humanos do MP/MG. Além disso, contou com a presença de representantes de comunidades e povos tradicionais.

Em sua exposição, Deborah Duprat lembrou que “os índios têm o território garantido expressamente na Constituição, e, por isso, não podem ser removidos. Por constituir um princípio, esse direito deve ser aplicado aos outros grupos tradicionais, porque, para eles, o território é um espaço simbólico, um espaço de referência, muito mais do que uma apropriação econômica”. 

O segundo dia do Encontro, foi aberto pelas palestras do PFDC, Aurélio Rios, e do procurador de Justiça Afonso Henrique de Miranda Teixeira, coordenador do CAO de apoio às Promotorias de Justiça de Conflitos Agrários do MP/MG, sobre comunidades tradicionais e conflitos agrários.

Após, o PRDC/MG, Edmundo Antônio Dias, e o superintendente do Patrimônio da União (SPU/MG), Rogério Veiga Aranha, trataram dos direitos dos povos tradicionais Rom, Sinti e Calon e apresentaram estudo de caso sobre a comunidade cigana Calon do Bairro São Gabriel, em Belo Horizonte.

O procurador da República André de Vasconcelos Dias (PRM Montes Claros/MG), em sua palestra, tratou das peculiaridades no exercício do controle externo da atividade policial em casos envolvendo comunidades tradicionais ameaçadas.

O promotor de Justiça Paulo César Vicente de Lima, coordenador da Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Social (CIMOS) do MP/MG, e o procurador da República Wilson Rocha Assis (PRM Barra do Garças/MT), proferiram palestra sobre o acesso dos povos tradicionais aos direitos humanos econômicos, sociais e culturais.

O evento foi encerrado pelo PRDC Adjunto em Minas Gerais, Helder Magno da Silva, e pela promotora de Justiça  Nívia Mônica Silva, que destacaram o sucesso da iniciativa e a necessidade de realização de encontros conjuntos entre o MPF e MPs estaduais na busca de objetivos que lhes sejam comuns.

Fonte: Ascom PR/MG.

Postagens mais visitadas deste blog

8 DE ABRIL - DIA INTERNACIONAL DO POVO ROM

8 de Alpandí
Rromani Zor
Opré
Se os governantes esquecerem ... Lembraremos a todos e todas.
Se insistirem, pelo mundo afora, em calar nossa voz ou mesmo aprisionar nossa identidade ... continuaremos levantando nossa bandeira.
Afinal de contas nosso céu é azul em todo o planeta e teto do mundo, O verde dos campos, sem fronteiras, corre a extensão de tudo o que vive, a casa de todos(as) nós.
Nossa liberdade foi conquistada com o sangue de muitos ... com a roda de um povo espalhado por todos os países do mundo. Hoje temos a missão de lembrar as novas gerações que sobrevivemos a reis, papas, rainhas e exércitos, a guerras infinitas e ao Porrajmos (holocausto).
Faz sentido todos os dias viver pela Rromá de 1971: 14 representações da rromá (de 14 países) se reuniram em 8 de abril de 1971.



“o céu é meu teto, A terra minha pátria,
Liberdade minha religião.”

Faz sentido todas as cerimônias Do Rio, que ocorrem em várias partes do mundo. Todas as cerimônias das rosas vermelhas e azuis – “jamais esquecerei” o…

CONANDA E CNAS PRESTAM HOMENAGEM AO DIA NACIONAL DO POVO ROM – OS ASSIM CHAMADOS CIGANOS

No dia 24 de maio se celebra o Dia Nacional do Povo Rom – os assim chamados ciganos – do Brasil, instituído peloDecreto Presidencial de 26 de maio de 2006.
Conselheiras/os do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente (CONANDA), reunidos na 272ª Assembleia Ordinária, em Brasília - DF, prestam homenagem aos romani (ciganas e ciganos) do país, e parabenizaram a Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil), entidade da sociedade civil membro do CONANDA, pelos trabalhos realizados na defesa e garantia dos direitos humanos. A Conselheira Lucimara Cavalcante, representante da AMSK/Brasil, destacou as conquistas e os desafios para ação afirmativa ao Povo Rom (ciganos) do país, e disponibilizou a publicação “Datas de celebração e luta pelos direitos dos Povos Romani (Ciganos)” aos participantes.

Conselheiras/os do Conselho Nacional da Assistência Social (CNAS), reunidos na 264ª Reunião Ordinária, em Porto Alegre - RS, prestam homenagem aos romani do país, e em especial a…

DIA DA RESISTÊNCIA ROMANI - 16 de Maio

Sinti e Roma sempre lutaram contra a privação de seus direitos e seu registro “racial” desde o início. Eles protestaram contra leis discriminatórias e tentaram obter a libertação de membros da família deportados através de petições ou intervenção pessoal.
“Muitos dos nossos homens estavam na Grande Guerra e lutaram pela pátria, assim como por qualquer outra. No entanto, o Dr. Portschy não considerou isso. Dr. Portschy tirou todos os nossos direitos civis ... Sempre fomos católicos romanos e, portanto, vejo-me forçado a apresentar uma queixa de todos nós nos mais altos cargos do governo do Reich. ”(Carta de protesto de Franz Horvath de Redlschlag ao governo do Reich datado de 12.5.1938) Nota: Tobias Portschy, primeiro Gauleiter de Burgenland, foi uma das forças motrizes da “política racial” dirigida aos Sinti e Roma depois do “Anschluß” da Áustria. Poucas semanas depois de escrever a carta, Franz Horvath, 63 anos, foi preso como “manifestante” e deportado para o campo de concentração de …