Pular para o conteúdo principal

EM DEFESA DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - CONANDA

 


O CONANDA - Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente, criado pela Lei n. 8.242 de 12 de outubro de 1991, é responsável por atribuições ligadas à Política Nacional de Promoção, Proteção e Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes e atua como instância máxima de formulação, deliberação e controle das políticas públicas para a infância e a adolescência na esfera federal, fiscalizando o cumprimento e a aplicação eficaz das normas do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

A Associação Internacional Maylê Sara Kalí - AMSK/Brasil é membro titular do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente, eleita pela participação democrática das entidades da sociedade civil atuantes na defesa dos direitos da criança e adolescente do Brasil.

Desde 2019, o CONANDA tem sido alvo de ataques por parte do governo federal, dentre as quais ao sancionar o Decreto presidencial n° 10.003, de 4 de setembro de 2019.

Este ato normativo, dentre outras mudanças em discordância da lei e da democracia, destituiu conselheiras e conselheiras de mandato, interferiu na nomeação da presidência do Conselho e fixou um novo regime trimestral por videoconferências para realização de assembleias, impactando o devido funcionamento do órgão e, assim, toda a política de atendimento aos direitos de crianças e adolescentes no Brasil.

As entidades da sociedade civil membros do CONANDA protocolaram pedido a Procuradoria-Geral da República (PGR) de suspensão dos efeitos do Decreto nº 10.003/2019. A PGR em atendimento ao pedido ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF) Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 622) manifestando que o decreto gera lesão a quatro (4) preceitos fundamentais: princípios da participação popular, da proibição do retrocesso institucional, do direito à igualdade e do direito da população infanto-juvenil à proteção pelo Estado e pela coletividade.

Também, a PGR considerou que as mudanças do decreto violam o do artigo 19 da Convenção Americana de Direitos Humanos por fragilizar o Conanda enquanto instrumento de implementação do dever de proteção do Estado aos direitos das crianças e adolescentes.

Em 13 de setembro de 2019, entidades da sociedade civil impetraram um mandado de segurança com pedido de liminar no STF para assegurar o direito a participação social prevista na Constituição Federal de 1988. 

Em 19 de dezembro de 2019, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, expede a Medida Cautelar na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 622 Distrito Federal, que por decisão restabelece a volta do mandato para conselheiros eleitos para o biênio 2019-2020; a eleição dos representantes de sociedade civil e do presidente do conselho pelos conselheiros, e a retomada das assembleias mensais do CONANDA.

Em outubro de 2020, o plenário do STF retirou de pauta o julgamento da ADPF 622. Em 02 de fevereiro de 2021, o plenário deliberou o julgamento para o próximo dia 19 de fevereiro.

Nessas circunstâncias, enquanto não haja um parecer conclusivo por parte do STF, o CONANDA fica impossibilitado de abrir edital de seleção das entidades da sociedade civil para o biênio 2021 a 2022.

As entidades da sociedade civil membros do CONANDA, bem como, as organizações atuantes na defesa dos direitos da criança e do adolescente do Brasil continuam na luta pela continuidade das reuniões do Conselho.

Junte-se a nós em Defesa do CONANDA!

Defender o CONANDA é defender a Constituição Federal! É defender o ECA! É defender os direitos de crianças e adolescentes!

CONANDA VIVE E LUTA!

Acesse Escute este Conselho

#emdefesadoconanda

#eulutopelasadolescentesdosinase

#eulutopeloCONANDA

#ADPF622Já

 

 

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNICADO PÚBLICO #VidasRomanyImportam

  COMUNICADO PÚBLICO #VidasRomanyImportam É preciso dizer #Dosta #Basta   A Union Romani Iternactional – IRU/ Office Agency Brazil , por meio do escritório da AMSK/Brasil e de seus delegados/membros do Brasil e da Argentina, AICRON/Brasil, Observatorio de Mujeres Gitanas/AR - BR, Leshjae Kumpanja, ZOR/AR, Federação Romani e Academia de Letras Romani, Urban Nômades e suas representações estaduais , vem por meio desta expressar sua preocupação com a escalada de violência que está acontecendo no estado da Bahia desde o dia 13 de julho de 2021 – no município de Vitória da Conquista e redondezas.   #VidasRomanyImportam  #RomanyLivesImport   “São dias de terror” dizem alguns, outros relatam cenas de chacina, pavor e queima de carros e casas. No meio desse estouro de mais um episódio de violência, estão: um adolescente, mulheres vítimas de arma de fogo, crianças e idosos. Precisamos falar das manchetes midiáticas que retiram a identidade dessas pessoas e coaduna

#VidasRomanyImportam

 Sobre o caso: VITÓRIA DA CONQUISTA/BA Hoje, dia 19 julho de 2021 várias reuniões aconteceram e espera-se que tudo corra bem. As perseguições aos dois cidadãos acusados da morte dos dois policiais no dia 13/07 continua e foram elencados como criminosos mais seis membros da mesma família. Várias barreiras foram feitas. Consta também que várias pessoas pertencentes a família dos acusados, seguem presos... OPERAÇÃO MARTINELLI - esse é o nome apresentado de uma operação que começou ano passado, segundo a SSP/BA... https://agenciasertao.com/2021/07/19/policia-ainda-procura-por-seis-envolvidos-em-assassinatos-de-pms-na-zona-rural-de-vitoria-da-conquista/ https://agenciasertao.com/2020/07/16/operacao-prende-acusados-de-participar-do-assassinato-de-irmaos-em-carinhanha/ https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2020/07/29/homem-suspeito-de-integrar-quadrilha-apontada-como-responsavel-por-morte-de-irmaos-e-preso-na-ba.ghtml Pelo que se pode observar, foram: 2 Policiais mortos; 4 irmãos mortos (send

DIA DA RESISTÊNCIA ROMANI - 16 de Maio

Sinti e Roma sempre lutaram contra a privação de seus direitos e seu registro “racial” desde o início. Eles protestaram contra leis discriminatórias e tentaram obter a libertação de membros da família deportados através de petições ou intervenção pessoal. “Muitos dos nossos homens estavam na Grande Guerra e lutaram pela pátria, assim como por qualquer outra. No entanto, o Dr. Portschy não considerou isso. Dr. Portschy tirou todos os nossos direitos civis ... Sempre fomos católicos romanos e, portanto, vejo-me forçado a apresentar uma queixa de todos nós nos mais altos cargos do governo do Reich. ”(Carta de protesto de Franz Horvath de Redlschlag ao governo do Reich datado de 12.5.1938) Nota: Tobias Portschy, primeiro Gauleiter de Burgenland, foi uma das forças motrizes da “política racial” dirigida aos Sinti e Roma depois do “Anschluß” da Áustria. Poucas semanas depois de escrever a carta, Franz Horvath, 63 anos, foi preso como “manifestante” e deportado para o campo de con