Pular para o conteúdo principal

25 DE NOVEMBRO - DIA INTERNACIONAL PARA A ELIMINAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES


No Primeiro Encontro Feminista Latino-Americano e do Caribe realizado em Bogotá, Colômbia, em 1981, foi estabelecida a data de 25 de novembro como o “Dia Latino Americano da Não Violência Contra a Mulher” para celebração em homenagem às irmãs Mirabal – Patria, Minerva e Maria Teresa - que responderam com sua dignidade à violência, não somente contra a mulher, mas contra todo um povo. Las Mariposas, como eram conhecidas. Elas lutavam por soluções para problemas sociais de seu país. Minerva e Maria Teresa foram presas por diversas vezes no período de 1949 a 1960. Minerva usava o codinome “Mariposa” no exercício de sua militância política clandestina.
Em 25 de novembro de 1960 na República Dominicana, as três irmãs regressavam de Puerto Plata, onde seus maridos se encontravam presos. Elas foram detidas na estrada e brutalmente assassinadas por agentes do governo militar. O caso teve repercussão na comunidade nacional e internacional de repúdio em relação ao governo dominicano, e acelerou a queda do ditador Rafael Leônidas Trujillo.
A Resolução 54/134 da Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) de 7 de fevereiro de 2000 declara o dia 25 de novembro Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, a qual convida expressamente os governos, as organizações internacionais, as organizações da sociedade civil e a sociedade para organizarem atividades para promover a consciência pública sobre os problemas associados à violência contra as mulheres.
No Brasil, na última década, o grande esforço dos movimentos feministas tem sido ampliar os debates sobre à efetividade da rede de proteção às mulheres na execução de políticas públicas para a erradicação do feminicídio, assédio e de todas as formas de violência contra as mulheres. Com mesmo empenho no debate aos direitos à igualdade de oportunidades de trabalho e da participação política entre mulheres e homens.
O aprimoramento e a ampliação do papel e dos direitos das mulheres na sociedade também está presente nas comunidades romani do Brasil. No século XXI as mulheres romani avançam em promover mudanças no ciclo do desconhecimento aos seus direitos de ser e existir, em especial com a sua inclusão nos diálogos de convivência familiar e comunitária, na atuação em atividades de geração de renda, na qualificação profissional por vezes consistente de uma trajetória escolar, na participação em espaços de discussão e elaboração de políticas públicas setoriais e de direitos, e na política partidária.
Nós, mulheres romani, o nosso lugar é onde quisermos estar. Os maus tratos, a opressão, a agressão física ou psicológica devem ser denunciados no Disque 180. Não se calem! 
A AMSK/Brasil celebra o dia 25 de novembro pela causa humanitária em prol da consolidação de uma sociedade que respeite os direitos das mulheres ao pluralismo cultural, social e político, o direito à igualdade e a estar livre de todas as formas de preconceito, discriminação e racismo.

Postagens mais visitadas deste blog

Porrajmos – O Holokausto Romani

O CRESCIMENTO DA @RROMAFOBIA E DO @ANTIGITANISMO NA EUROPA E AMÉRICA LATINA



Após passados 75 anos da noite de 02 de agosto de 1944, Auschwitz ainda continua vivo, com suas câmaras de gás, seus fornos humanos.
A deflagração da guerra trouxe mais restrições aos ciganos e, em 16 de dezembro de 1942, Himmler ordenou a deportação de todos os "ciganos, mestiços, ciganos romanos e membros de tribos ciganas de origem balcânica com sangue não alemão" para um campo de concentração. Uma ordem do Escritório Central de Segurança da SS Reich, de 20 de janeiro de 1943, especificava que eles seriam deportados para o campo de concentração (campo cigano) de Auschwitz.
Rainer Schulze O texto acima é do professor de História Européia Moderna  na Universidade de Essex e programador da  Semana Holocausto do Memorial da Universidade de Essex.
Entretanto cuidado, pode facilmente ser confundida com os dias de hoje. Não faltam semelhanças. Pelo ao menos duas realidades foram vivenciadas pela Rromá no…

PESQUISA ... ALTERA 7ª Edição

AMSK/Brasil

AMSK E A COMISSÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL – SECCIONAL RONDÔNIA REALIZAM DIÁLOGOS SOBRE A RESOLUÇÃO 181/2016 DO CONANDA

A Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil), o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente (CONANDA), Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério dos Direitos Humanos, e Ministério dos Direitos Humanos, realizou no dia 27 de novembro de 2018, o workshop Diálogos entre redes e fóruns de promoção e proteção dos direitos da criança e adolescente: perspectivas e desafios a partir da resolução nº 181/2016 do CONANDA, em parceria com a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia e a Casa de Cultura Ilê Asé D’Osoguiã (CCIAO). O evento realizado no Auditório da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia teve a participação de representações do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente Estadual e Municipal, de movimentos sociais e organizações da sociedade civil atuantes na defesa dos direitos de crianças e adolescentes, e de profissionais da rede pública de promoção e prote…