Pular para o conteúdo principal

SEMINÁRIO DO PACTO NACIONAL PELA PRIMEIRA INFÂNCIA – REGIÃO NORTE


    O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com o apoio do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) promoveu nos dias 19 e 20 de setembro, em Manaus, Amazonas, o Seminário do Pacto Nacional pela Primeira Infância – Região Norte, com o objetivo de discutir a realidade nos Estados sobre a atenção à primeira infância no âmbito do Marco Legal da Primeira Infância (Lei nº 13.257/2016) que dispõe sobre as políticas públicas para crianças na faixa etária de 0 a 6 anos de idade.
    O evento contou com a participação de autoridades nacionais e dos Estados da Região que celebraram compromisso na efetividade das políticas públicas para crianças com a assinatura do documento Pacto Nacional pela Primeira Infância.
   A programação do Seminário propiciou aos participantes (magistrados, procuradores, promotores, defensores públicos, advogados, equipes psicossociais-jurídicas, parlamentares e servidores dos Poderes Executivo e Legislativo, profissionais do Sistema de Garantia dos Direitos e da sociedade civil organizada da região Norte – Conselhos Tutelares, Conselhos de Direito da Criança e do Adolescente, servidores das unidades de Direitos Humanos, Desenvolvimento Social, Cultura, Esporte, Saúde, Educação, Segurança Pública, empresários, entre outros) o fortalecimento de seus conhecimentos e o intercâmbio de boas práticas e experiências desenvolvidas em suas localidades de origem.
   A AMSK/Brasil esteve presente no acontecimento a convite do Conselho Nacional de Justiça para compor a Mesa Redonda – Desafios para a garantia dos direitos das crianças de povos e comunidades tradicionais. A representante Lucimara Cavalcante proferiu a palestra “Escuta de Crianças de Povos e Comunidades Tradicionais” que enfatizou a importância da aplicação da Resolução nº 181/2016 do CONANDA para a efetividade da articulação intersetorial no atendimento de crianças de 0 a 6 anos pertencentes a povos e comunidades tradicionais. Adequar culturalmente os serviços relacionados ao atendimento dessas crianças é a premissa básica para o respeito à autodeterminação, as culturas, os costumes, os valores, as formas de organização social, as línguas e as tradições dessas pessoas de direitos. O alcance dessa adequação cultural nos serviços é possível com a participação de membros de povos e comunidades tradicionais como formadores desses gestores púbicos das políticas públicas e de os profissionais atendentes da primeira infância sobre as suas especificidades culturais.
    Devem ser respeitadas as concepções diferenciadas dos diversos povos e comunidades tradicionais acerca dos ciclos de vida que compreendem o período legalmente estabelecido como infância. Portanto, as infâncias existentes no Brasil devem ser consideradas para qualquer elaboração de políticas públicas e tomada de decisão para sua proteção integral.
   A AMSK/Brasil agradece a todas e todos que contribuíram para o êxito do evento em especial agradecimento ao Juiz Richard Pae Kim, Secretário Especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do Conselho Nacional de Justiça; a Alessandra Teixeira, Gabinete da Secretaria Especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do CNJ; a Ivânia Ghesti, Assessora da Secretaria Nacional de Assistência Social do Ministério da Cidadania; e aos anfitriões do Seminário, Desembargador Yedo Simões de Oliveira, Presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas; e a Juíza Rebeca de Mendonça Lima, Coordenadoria da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça do Amazonas (COIJ/TJAM).

Saiba mais...
Boas práticas do Judiciário na proteção à infância são destacadas em seminário







Postagens mais visitadas deste blog

Porrajmos – O Holokausto Romani

O CRESCIMENTO DA @RROMAFOBIA E DO @ANTIGITANISMO NA EUROPA E AMÉRICA LATINA



Após passados 75 anos da noite de 02 de agosto de 1944, Auschwitz ainda continua vivo, com suas câmaras de gás, seus fornos humanos.
A deflagração da guerra trouxe mais restrições aos ciganos e, em 16 de dezembro de 1942, Himmler ordenou a deportação de todos os "ciganos, mestiços, ciganos romanos e membros de tribos ciganas de origem balcânica com sangue não alemão" para um campo de concentração. Uma ordem do Escritório Central de Segurança da SS Reich, de 20 de janeiro de 1943, especificava que eles seriam deportados para o campo de concentração (campo cigano) de Auschwitz.
Rainer Schulze O texto acima é do professor de História Européia Moderna  na Universidade de Essex e programador da  Semana Holocausto do Memorial da Universidade de Essex.
Entretanto cuidado, pode facilmente ser confundida com os dias de hoje. Não faltam semelhanças. Pelo ao menos duas realidades foram vivenciadas pela Rromá no…

PESQUISA ... ALTERA 7ª Edição

AMSK/Brasil

AMSK E A COMISSÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL – SECCIONAL RONDÔNIA REALIZAM DIÁLOGOS SOBRE A RESOLUÇÃO 181/2016 DO CONANDA

A Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil), o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente (CONANDA), Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério dos Direitos Humanos, e Ministério dos Direitos Humanos, realizou no dia 27 de novembro de 2018, o workshop Diálogos entre redes e fóruns de promoção e proteção dos direitos da criança e adolescente: perspectivas e desafios a partir da resolução nº 181/2016 do CONANDA, em parceria com a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia e a Casa de Cultura Ilê Asé D’Osoguiã (CCIAO). O evento realizado no Auditório da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia teve a participação de representações do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente Estadual e Municipal, de movimentos sociais e organizações da sociedade civil atuantes na defesa dos direitos de crianças e adolescentes, e de profissionais da rede pública de promoção e prote…