Pular para o conteúdo principal

AMSK/BRASIL PARTICIPA DA XIII JORNADA LEI MARIA DA PENHA

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) promoveu nos dias 8 e 9 de agosto a XIII Jornada Lei Maria Penha realizada no Auditório do Supremo Tribunal Federal, em Brasília – DF. O evento reuniu representantes de órgãos do Poder Judiciário (STF, CNJ, STJ, Tribunais de Justiça, Coordenadorias Estaduais da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher), do Ministério Público (Estaduais e Federal), da Defensoria Pública (Estaduais e Federal), das Secretarias de Segurança Pública); magistrados, advogados, delegados, policiais civis e militares, psicólogos, assistentes sociais, profissionais da área de saúde, e sociedade em geral para debater sobre os desafios no efetivo cumprimento da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006) no país.
A AMSK/Brasil participou da programação do evento desenvolvida com o tema Avaliação e Gestão de Risco na Violência Doméstica contra a Mulher. Também contribuiu nos diálogos promovidos na Oficina 1 “Os impactos da violência na saúde da mulher” e Oficina 2 “O atendimento assistencial às mulheres”. Espaço em que oportunizou apresentar as considerações para melhoria na coleta de dados do Formulário Nacional de Avaliação de Risco para a prevenção e o enfrentamento de crimes e demais atos praticados no contexto de violência doméstica e familiar contra a mulher, instituído pela Resolução 284, de 5 de junho de 2019. Como exemplo, a identificação da mulher pertencente a povos e comunidades tradicionais.
O evento evidenciou os indicadores crescentes no país desde o ano 2007 da violência contra as mulheres e a necessidade do fortalecimento da rede de proteção às mulheres vítimas de violência com: (1) dotação orçamentária para desenvolvimento dos programas e ações para prevenção e educação no combate à violência, melhoria nos equipamentos de serviços de atendimento, e implantação nos municípios dos serviços necessários; (2) incentivo à criação nos estados e municípios de Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher (DEAMs), Casas-Abrigo, Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referência de Atendimento à Mulher, Serviços de Saúde Especializados para o Atendimento dos Casos de Violência Contra a Mulher, e Defensoria Pública; (3) implantação de mais Juizados/Varas especializadas nos estados com maior índice de violência contra as mulheres para agilidade em julgar ações penais e conceder medidas protetivas; (4) incentivo a formação e a capacitação continuada dos profissionais da rede de proteção às mulheres; e (5) integralidade de ações entre o Sistema Judiciário e o Sistema de Segurança Pública para efetiva proteção integral às mulheres vítimas de violência.
A XIII Jornada Lei Maria da Penha promoveu o compartilhamento de ideias, boas práticas e experiências entre as/os participantes para o combate a violência contra as mulheres no Brasil.

MOMENTOS


Postagens mais visitadas deste blog

Porrajmos – O Holokausto Romani

O CRESCIMENTO DA @RROMAFOBIA E DO @ANTIGITANISMO NA EUROPA E AMÉRICA LATINA



Após passados 75 anos da noite de 02 de agosto de 1944, Auschwitz ainda continua vivo, com suas câmaras de gás, seus fornos humanos.
A deflagração da guerra trouxe mais restrições aos ciganos e, em 16 de dezembro de 1942, Himmler ordenou a deportação de todos os "ciganos, mestiços, ciganos romanos e membros de tribos ciganas de origem balcânica com sangue não alemão" para um campo de concentração. Uma ordem do Escritório Central de Segurança da SS Reich, de 20 de janeiro de 1943, especificava que eles seriam deportados para o campo de concentração (campo cigano) de Auschwitz.
Rainer Schulze O texto acima é do professor de História Européia Moderna  na Universidade de Essex e programador da  Semana Holocausto do Memorial da Universidade de Essex.
Entretanto cuidado, pode facilmente ser confundida com os dias de hoje. Não faltam semelhanças. Pelo ao menos duas realidades foram vivenciadas pela Rromá no…

PESQUISA ... ALTERA 7ª Edição

AMSK/Brasil

AMSK E A COMISSÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL – SECCIONAL RONDÔNIA REALIZAM DIÁLOGOS SOBRE A RESOLUÇÃO 181/2016 DO CONANDA

A Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil), o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente (CONANDA), Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério dos Direitos Humanos, e Ministério dos Direitos Humanos, realizou no dia 27 de novembro de 2018, o workshop Diálogos entre redes e fóruns de promoção e proteção dos direitos da criança e adolescente: perspectivas e desafios a partir da resolução nº 181/2016 do CONANDA, em parceria com a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia e a Casa de Cultura Ilê Asé D’Osoguiã (CCIAO). O evento realizado no Auditório da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia teve a participação de representações do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente Estadual e Municipal, de movimentos sociais e organizações da sociedade civil atuantes na defesa dos direitos de crianças e adolescentes, e de profissionais da rede pública de promoção e prote…