AMSK/BRASIL PARTICIPA DA XIII JORNADA LEI MARIA DA PENHA

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) promoveu nos dias 8 e 9 de agosto a XIII Jornada Lei Maria Penha realizada no Auditório do Supremo Tribunal Federal, em Brasília – DF. O evento reuniu representantes de órgãos do Poder Judiciário (STF, CNJ, STJ, Tribunais de Justiça, Coordenadorias Estaduais da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher), do Ministério Público (Estaduais e Federal), da Defensoria Pública (Estaduais e Federal), das Secretarias de Segurança Pública); magistrados, advogados, delegados, policiais civis e militares, psicólogos, assistentes sociais, profissionais da área de saúde, e sociedade em geral para debater sobre os desafios no efetivo cumprimento da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006) no país.
A AMSK/Brasil participou da programação do evento desenvolvida com o tema Avaliação e Gestão de Risco na Violência Doméstica contra a Mulher. Também contribuiu nos diálogos promovidos na Oficina 1 “Os impactos da violência na saúde da mulher” e Oficina 2 “O atendimento assistencial às mulheres”. Espaço em que oportunizou apresentar as considerações para melhoria na coleta de dados do Formulário Nacional de Avaliação de Risco para a prevenção e o enfrentamento de crimes e demais atos praticados no contexto de violência doméstica e familiar contra a mulher, instituído pela Resolução 284, de 5 de junho de 2019. Como exemplo, a identificação da mulher pertencente a povos e comunidades tradicionais.
O evento evidenciou os indicadores crescentes no país desde o ano 2007 da violência contra as mulheres e a necessidade do fortalecimento da rede de proteção às mulheres vítimas de violência com: (1) dotação orçamentária para desenvolvimento dos programas e ações para prevenção e educação no combate à violência, melhoria nos equipamentos de serviços de atendimento, e implantação nos municípios dos serviços necessários; (2) incentivo à criação nos estados e municípios de Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher (DEAMs), Casas-Abrigo, Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referência de Atendimento à Mulher, Serviços de Saúde Especializados para o Atendimento dos Casos de Violência Contra a Mulher, e Defensoria Pública; (3) implantação de mais Juizados/Varas especializadas nos estados com maior índice de violência contra as mulheres para agilidade em julgar ações penais e conceder medidas protetivas; (4) incentivo a formação e a capacitação continuada dos profissionais da rede de proteção às mulheres; e (5) integralidade de ações entre o Sistema Judiciário e o Sistema de Segurança Pública para efetiva proteção integral às mulheres vítimas de violência.
A XIII Jornada Lei Maria da Penha promoveu o compartilhamento de ideias, boas práticas e experiências entre as/os participantes para o combate a violência contra as mulheres no Brasil.

MOMENTOS


Postagens mais visitadas deste blog

Porrajmos – O Holokausto Romani

AS DORES QUE O TEMPO NÃO DEVE APAGAR

NOTA DE REPÚDIO -