Pular para o conteúdo principal

AMSK/BRASIL PARTICIPA DO “SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIGANOS EM PORTUGAL, ESPANHA E BRASIL: ANALISANDO CONTEXTOS, DEMANDAS E PROCESSOS IDENTITÁRIOS”

O Seminário Internacional Ciganos em Portugal, Espanha e Brasil: analisando contextos, demandas e processos identitários realizado nos dias 3 e 4 de junho, no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE – IUL) com o objetivo de promover o intercâmbio de experiências entre romani atuantes na defesa dos direitos humanos, de pesquisadoras e pesquisadores acadêmicos, e representações governamentais.
A AMSK/Brasil foi convidada pela Comissão Organizadora composta por pesquisadoras e pesquisadores de Portugal e Brasil – Olga Magano (UAb e CIES-IUL/ISCTE-IUL, Portugal), Maria Manuela Mendes (FAUL e CIES-IUL/ISCTE-IUL, Portugal), Jamilly Cunha (UFPE e NEPE/UFPE, Brasil) e Renato Athias (UFPE e NEPE/UFPE, Brasil) para compor as mesas temáticas “Contextos, ação política e associativa” e “Desafios metodológicos na pesquisa sobre ciganos. Cenário, desenhos de pesquisa e questões metodológicas”.
As representantes da AMSK/Brasil, Elisa Costa e Lucimara Cavalcante, apresentaram os trabalhos realizados de incidência política junto ao poder executivo do governo brasileiro que resultaram na visibilidade do Povo Rom na aplicação das políticas públicas da área de saúde, assistência social e educação. Destacaram os desafios e as perspectivas em face de a nova conformação política brasileira para continuidade das ações na garantia dos direitos à cidadania dessa população étnica.
O evento propiciou a divulgação dos resultados de estudos e pesquisas realizados por docentes e discentes de instituições de ensino superior referentes a mortalidade infantil, suicídios, exclusão digital, habitação, trabalho, saúde, educação.
Os dados e informações sobre a educação escolar evidenciam que os governos de Portugal e Espanha possuem programas de Estado permanentes para inclusão das crianças, jovens e adultos no ensino fundamental ao ensino superior. As pesquisas revelam a maior frequência no ensino fundamental e alto índice de abandono no ensino médio principalmente das meninas. No ensino superior, consequentemente, há baixo índice de ingressos, e as/os jovens que chegam a concluir a graduação e a pós-graduação é com o apoio da família ou que almejam qualificação profissional.
O Programa Europeu de Formação para Mediadores Ciganos (ROMED) tem contribuído para as ações de governança entre a gestão pública local e as comunidades. Em Portugal, o governo realiza programas permanentes que promovem uma melhor comunicação e cooperação entre as comunidades romani e as instituições públicas, com destaque ao ROMED, Programa Escolhas, e o Oprê Chavalê.
O Seminário evidenciou que apesar dos avanços na aplicação de políticas públicas setoriais e de direitos à visibilidade dos Roma em Portugal, Espanha e Brasil, ainda há o desafio ao enfrentamento ao racismo, xenofobia e discriminação étnico-racial. A romafobia está presente em ambos os países.
A AMSK/Brasil agradece a todas e todos pela oportunidade de partilha de conhecimentos e experiências bem-sucedidas na defesa e garantia dos direitos a dignidade humana.

“Que a herança de um Povo nunca seja a fome, a miséria, o preconceito, a discriminação, e o racismo”.


MOMENTOS
________________________________________________
___________________________________
_________________________________
________________________________________
_______________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
_______________________________________
__________________________________________
______________________________________
______________________________________________






































Postagens mais visitadas deste blog

13 de julho: 28 ANOS DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

A política nacional da criança e do adolescente, que se baseia no artigo 227 da Constituição Federal de 1988 e na Lei Federal n° 8.069/1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente. A partir desses instrumentos e em conformidade com a Convenção sobre os Direitos da Criança aprovada no âmbito das Nações Unidas em 1989, promulgada no Brasil pelo Decreto nº 99.710, de 21 de novembro de 1990, crianças e adolescentes passaram a ser reconhecidos como sujeitos de direitos (e não mais como meros objetos de intervenção), respeitadas sua condição peculiar de pessoa em desenvolvimento, a prevalência de seu interesse superior, a indivisibilidade de seus direitos e sua prioridade absoluta nas políticas públicas (PPA 2016-2019, p.104). Resguardar os direitos fundamentais da criança e do adolescente requer que os órgãos públicos e as organizações da sociedade civil, que integram o Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente (SGD), exerçam suas funções, em rede, a partir de três eixos e…

CONANDA E CNAS PRESTAM HOMENAGEM AO DIA NACIONAL DO POVO ROM – OS ASSIM CHAMADOS CIGANOS

No dia 24 de maio se celebra o Dia Nacional do Povo Rom – os assim chamados ciganos – do Brasil, instituído peloDecreto Presidencial de 26 de maio de 2006.
Conselheiras/os do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente (CONANDA), reunidos na 272ª Assembleia Ordinária, em Brasília - DF, prestam homenagem aos romani (ciganas e ciganos) do país, e parabenizaram a Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil), entidade da sociedade civil membro do CONANDA, pelos trabalhos realizados na defesa e garantia dos direitos humanos. A Conselheira Lucimara Cavalcante, representante da AMSK/Brasil, destacou as conquistas e os desafios para ação afirmativa ao Povo Rom (ciganos) do país, e disponibilizou a publicação “Datas de celebração e luta pelos direitos dos Povos Romani (Ciganos)” aos participantes.

Conselheiras/os do Conselho Nacional da Assistência Social (CNAS), reunidos na 264ª Reunião Ordinária, em Porto Alegre - RS, prestam homenagem aos romani do país, e em especial a…

DIA DA RESISTÊNCIA ROMANI - 16 de Maio

Sinti e Roma sempre lutaram contra a privação de seus direitos e seu registro “racial” desde o início. Eles protestaram contra leis discriminatórias e tentaram obter a libertação de membros da família deportados através de petições ou intervenção pessoal.
“Muitos dos nossos homens estavam na Grande Guerra e lutaram pela pátria, assim como por qualquer outra. No entanto, o Dr. Portschy não considerou isso. Dr. Portschy tirou todos os nossos direitos civis ... Sempre fomos católicos romanos e, portanto, vejo-me forçado a apresentar uma queixa de todos nós nos mais altos cargos do governo do Reich. ”(Carta de protesto de Franz Horvath de Redlschlag ao governo do Reich datado de 12.5.1938) Nota: Tobias Portschy, primeiro Gauleiter de Burgenland, foi uma das forças motrizes da “política racial” dirigida aos Sinti e Roma depois do “Anschluß” da Áustria. Poucas semanas depois de escrever a carta, Franz Horvath, 63 anos, foi preso como “manifestante” e deportado para o campo de concentração de …