Pular para o conteúdo principal

CONSULTA NACIONAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CIGANAS


Nos dias 1 a 3 de março de 2016, Brasília – DF, a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM) realizou a Consulta Nacional de Políticas para as Mulheres Ciganas, como preparação para apresentação de propostas a 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres (4ª CNMP) que traz como tema: Mais direitos, participação e poder para as Mulheres.



Pela primeira vez o governo brasileiro tem a iniciativa de promover a inclusão das mulheres romani (ciganas) no processo de construção política para as mulheres do país, sendo considerado um marco histórico.
Romi Lovara e Kaldarash
 O evento teve a participação de mulheres romani (ciganas) de etnia Kaldarash, Lovara e Calon, momento em que apresentaram as questões afetas ao enfrentamento as violações de direitos humanos, e propostas para atendimento das necessidades prementes nas áreas de saúde e educação.
Foto: Assessoria de Comunicação da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres


A consulta foi orientada em 4 Eixos Temáticos:

1. Contribuição dos Conselhos de Direitos da Mulher e dos Movimentos Feministas e de Mulheres para a efetivação da Igualdade de Direitos e Oportunidades.
2. Estruturas Institucionais e Políticas Desenvolvidas para Mulheres no âmbito municipal, estadual e federal: avanços e desafios.
3. Sistema Político com Participação das Mulheres e Igualdade.
4. Sistema Nacional de Políticas para as Mulheres.


A AMSK/Brasil apresentou a proposta de criação do Fórum Nacional de Políticas para as Mulheres Ciganas, sendo aprovada pelas participantes, como mecanismo ao fortalecimento do diálogo entre as mulheres romani e as gestoras/es públicos, a fim de traçar estratégias de ação à elaboração de políticas públicas de promoção a melhoria de suas condições de vida, inclusão social e cidadania.

Durante o evento para nossa grata surpresa a Assessora Especial da Coordenação de Diversidade da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Janaína Barbosa, anunciou que em face de a demanda das mulheres romani, o Fórum Nacional será criado e com possível lançamento no próximo mês de junho.

Foram eleitas 7 delegadas para a 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres a se realizar em Brasília – DF nos dias 10 a 13 de maio de 2016. E a AMSK/Brasil compõe o grupo das delegadas.

O encerramento do evento foi uma confraternização entre as mulheres romani e as mulheres com deficiência que também tiveram nos mesmos dias 1 a 3 de março, pela primeira vez a realização da consulta  nacional de políticas para as mulheres com deficiência. Momento em que as romi Kaldarash e Lovara expressaram seus agradecimentos com a música e a dança romani.



A AMSK/Brasil trabalha para que cada vez mais as mulheres romani tenham acesso a informação e sejam incluídas nos espaços de discussão e elaboração de políticas públicas para as mulheres do país.

Saiba mais acesse:
Mulheres com deficiência e ciganas elegem as delegadas que vão representá-las na 4ª CNPM

Postagens mais visitadas deste blog

8 DE ABRIL - DIA INTERNACIONAL DO POVO ROM

8 de Alpandí
Rromani Zor
Opré
Se os governantes esquecerem ... Lembraremos a todos e todas.
Se insistirem, pelo mundo afora, em calar nossa voz ou mesmo aprisionar nossa identidade ... continuaremos levantando nossa bandeira.
Afinal de contas nosso céu é azul em todo o planeta e teto do mundo, O verde dos campos, sem fronteiras, corre a extensão de tudo o que vive, a casa de todos(as) nós.
Nossa liberdade foi conquistada com o sangue de muitos ... com a roda de um povo espalhado por todos os países do mundo. Hoje temos a missão de lembrar as novas gerações que sobrevivemos a reis, papas, rainhas e exércitos, a guerras infinitas e ao Porrajmos (holocausto).
Faz sentido todos os dias viver pela Rromá de 1971: 14 representações da rromá (de 14 países) se reuniram em 8 de abril de 1971.



“o céu é meu teto, A terra minha pátria,
Liberdade minha religião.”

Faz sentido todas as cerimônias Do Rio, que ocorrem em várias partes do mundo. Todas as cerimônias das rosas vermelhas e azuis – “jamais esquecerei” o…

CONANDA E CNAS PRESTAM HOMENAGEM AO DIA NACIONAL DO POVO ROM – OS ASSIM CHAMADOS CIGANOS

No dia 24 de maio se celebra o Dia Nacional do Povo Rom – os assim chamados ciganos – do Brasil, instituído peloDecreto Presidencial de 26 de maio de 2006.
Conselheiras/os do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente (CONANDA), reunidos na 272ª Assembleia Ordinária, em Brasília - DF, prestam homenagem aos romani (ciganas e ciganos) do país, e parabenizaram a Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil), entidade da sociedade civil membro do CONANDA, pelos trabalhos realizados na defesa e garantia dos direitos humanos. A Conselheira Lucimara Cavalcante, representante da AMSK/Brasil, destacou as conquistas e os desafios para ação afirmativa ao Povo Rom (ciganos) do país, e disponibilizou a publicação “Datas de celebração e luta pelos direitos dos Povos Romani (Ciganos)” aos participantes.

Conselheiras/os do Conselho Nacional da Assistência Social (CNAS), reunidos na 264ª Reunião Ordinária, em Porto Alegre - RS, prestam homenagem aos romani do país, e em especial a…

DIA DA RESISTÊNCIA ROMANI - 16 de Maio

Sinti e Roma sempre lutaram contra a privação de seus direitos e seu registro “racial” desde o início. Eles protestaram contra leis discriminatórias e tentaram obter a libertação de membros da família deportados através de petições ou intervenção pessoal.
“Muitos dos nossos homens estavam na Grande Guerra e lutaram pela pátria, assim como por qualquer outra. No entanto, o Dr. Portschy não considerou isso. Dr. Portschy tirou todos os nossos direitos civis ... Sempre fomos católicos romanos e, portanto, vejo-me forçado a apresentar uma queixa de todos nós nos mais altos cargos do governo do Reich. ”(Carta de protesto de Franz Horvath de Redlschlag ao governo do Reich datado de 12.5.1938) Nota: Tobias Portschy, primeiro Gauleiter de Burgenland, foi uma das forças motrizes da “política racial” dirigida aos Sinti e Roma depois do “Anschluß” da Áustria. Poucas semanas depois de escrever a carta, Franz Horvath, 63 anos, foi preso como “manifestante” e deportado para o campo de concentração de …