Pular para o conteúdo principal

AMSK/BRASIL PARTICIPA DA XIII JORNADA LEI MARIA DA PENHA

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) promoveu nos dias 8 e 9 de agosto a XIII Jornada Lei Maria Penha realizada no Auditório do Supremo Tribunal Federal, em Brasília – DF. O evento reuniu representantes de órgãos do Poder Judiciário (STF, CNJ, STJ, Tribunais de Justiça, Coordenadorias Estaduais da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher), do Ministério Público (Estaduais e Federal), da Defensoria Pública (Estaduais e Federal), das Secretarias de Segurança Pública); magistrados, advogados, delegados, policiais civis e militares, psicólogos, assistentes sociais, profissionais da área de saúde, e sociedade em geral para debater sobre os desafios no efetivo cumprimento da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006) no país.
A AMSK/Brasil participou da programação do evento desenvolvida com o tema Avaliação e Gestão de Risco na Violência Doméstica contra a Mulher. Também contribuiu nos diálogos promovidos na Oficina 1 “Os impactos da violência na saúde da mulher” e Oficina 2 “O atendimento assistencial às mulheres”. Espaço em que oportunizou apresentar as considerações para melhoria na coleta de dados do Formulário Nacional de Avaliação de Risco para a prevenção e o enfrentamento de crimes e demais atos praticados no contexto de violência doméstica e familiar contra a mulher, instituído pela Resolução 284, de 5 de junho de 2019. Como exemplo, a identificação da mulher pertencente a povos e comunidades tradicionais.
O evento evidenciou os indicadores crescentes no país desde o ano 2007 da violência contra as mulheres e a necessidade do fortalecimento da rede de proteção às mulheres vítimas de violência com: (1) dotação orçamentária para desenvolvimento dos programas e ações para prevenção e educação no combate à violência, melhoria nos equipamentos de serviços de atendimento, e implantação nos municípios dos serviços necessários; (2) incentivo à criação nos estados e municípios de Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher (DEAMs), Casas-Abrigo, Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referência de Atendimento à Mulher, Serviços de Saúde Especializados para o Atendimento dos Casos de Violência Contra a Mulher, e Defensoria Pública; (3) implantação de mais Juizados/Varas especializadas nos estados com maior índice de violência contra as mulheres para agilidade em julgar ações penais e conceder medidas protetivas; (4) incentivo a formação e a capacitação continuada dos profissionais da rede de proteção às mulheres; e (5) integralidade de ações entre o Sistema Judiciário e o Sistema de Segurança Pública para efetiva proteção integral às mulheres vítimas de violência.
A XIII Jornada Lei Maria da Penha promoveu o compartilhamento de ideias, boas práticas e experiências entre as/os participantes para o combate a violência contra as mulheres no Brasil.

MOMENTOS


Postagens mais visitadas deste blog

COMUNICADO PÚBLICO #VidasRomanyImportam

  COMUNICADO PÚBLICO #VidasRomanyImportam É preciso dizer #Dosta #Basta   A Union Romani Iternactional – IRU/ Office Agency Brazil , por meio do escritório da AMSK/Brasil e de seus delegados/membros do Brasil e da Argentina, AICRON/Brasil, Observatorio de Mujeres Gitanas/AR - BR, Leshjae Kumpanja, ZOR/AR, Federação Romani e Academia de Letras Romani, Urban Nômades e suas representações estaduais , vem por meio desta expressar sua preocupação com a escalada de violência que está acontecendo no estado da Bahia desde o dia 13 de julho de 2021 – no município de Vitória da Conquista e redondezas.   #VidasRomanyImportam  #RomanyLivesImport   “São dias de terror” dizem alguns, outros relatam cenas de chacina, pavor e queima de carros e casas. No meio desse estouro de mais um episódio de violência, estão: um adolescente, mulheres vítimas de arma de fogo, crianças e idosos. Precisamos falar das manchetes midiáticas que retiram a identidade dessas pessoas e coaduna

#VidasRomanyImportam

 Sobre o caso: VITÓRIA DA CONQUISTA/BA Hoje, dia 19 julho de 2021 várias reuniões aconteceram e espera-se que tudo corra bem. As perseguições aos dois cidadãos acusados da morte dos dois policiais no dia 13/07 continua e foram elencados como criminosos mais seis membros da mesma família. Várias barreiras foram feitas. Consta também que várias pessoas pertencentes a família dos acusados, seguem presos... OPERAÇÃO MARTINELLI - esse é o nome apresentado de uma operação que começou ano passado, segundo a SSP/BA... https://agenciasertao.com/2021/07/19/policia-ainda-procura-por-seis-envolvidos-em-assassinatos-de-pms-na-zona-rural-de-vitoria-da-conquista/ https://agenciasertao.com/2020/07/16/operacao-prende-acusados-de-participar-do-assassinato-de-irmaos-em-carinhanha/ https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2020/07/29/homem-suspeito-de-integrar-quadrilha-apontada-como-responsavel-por-morte-de-irmaos-e-preso-na-ba.ghtml Pelo que se pode observar, foram: 2 Policiais mortos; 4 irmãos mortos (send

DIA DA RESISTÊNCIA ROMANI - 16 de Maio

Sinti e Roma sempre lutaram contra a privação de seus direitos e seu registro “racial” desde o início. Eles protestaram contra leis discriminatórias e tentaram obter a libertação de membros da família deportados através de petições ou intervenção pessoal. “Muitos dos nossos homens estavam na Grande Guerra e lutaram pela pátria, assim como por qualquer outra. No entanto, o Dr. Portschy não considerou isso. Dr. Portschy tirou todos os nossos direitos civis ... Sempre fomos católicos romanos e, portanto, vejo-me forçado a apresentar uma queixa de todos nós nos mais altos cargos do governo do Reich. ”(Carta de protesto de Franz Horvath de Redlschlag ao governo do Reich datado de 12.5.1938) Nota: Tobias Portschy, primeiro Gauleiter de Burgenland, foi uma das forças motrizes da “política racial” dirigida aos Sinti e Roma depois do “Anschluß” da Áustria. Poucas semanas depois de escrever a carta, Franz Horvath, 63 anos, foi preso como “manifestante” e deportado para o campo de con