Pular para o conteúdo principal

6ª MARCHA DAS MARGARIDAS: LUTA POR UM BRASIL COM SOBERANIA POPULAR, DEMOCRACIA, JUSTIÇA E LIVRE DE VIOLÊNCIA


Mulheres do campo, da floresta e das águas vindas de todas as regiões do Brasil se reúnem de quatro em quatro em Brasília, Distrito Federal, para a mobilização nacional em prol dos direitos das mulheres.
A Marcha das Margaridas foi criada para celebrar a trajetória de luta e conquistas de Margarida Maria Alves, mulher negra e presidente do Sindicato Rural de Alagoa Grande, Paraíba. Durante dez anos ela ajudara promover mais de 600 ações trabalhistas contra usineiros e donos de engenhos na região da Paraíba. O êxito de suas ações em defesa dos direitos trabalhistas lhe custou a vida. Margarida foi assassinada na porta de sua casa na frente do marido e filho.
A 6ª Marcha das Margaridas realizada nos dias 13 e 14 em Brasília, Distrito Federal contou com ampla programação de debates e capacitação sobre os direitos das mulheres. A edição deste ano foi desenvolvida sobre o tema “A Agroecologia e o Enfrentamento da Violência Contra a Mulher no Campo”.
A AMSK/Brasil participou do evento somando-se ao ato dos manifestos dessas mulheres por direitos à terra, segurança, saúde, educação, assistência social e trabalho condigno.
A conformação política instaurada no país tem promovido cortes orçamentários e financeiros de programas de direitos fundamentais à população brasileira. Promove perda dos direitos no atendimento à saúde pelo Sistema Único de Saúde, dos benefícios socioassistenciais pelo Sistema Único da Assistência Social, o acesso a educação gratuita pelo Sistema de Ensino, e de benefícios trabalhistas pela Previdência Social.
“NÓS SOMOS TODAS MARGARIDAS”
Agimos em defesa da dignidade humana da população brasileira.
A AMSK/Brasil parabeniza Mazé Morais, Secretária de Mulheres da CONTAG e coordenadora da Marcha das Margaridas, e todas e todos que contribuíram para o êxito da 6ª Marcha das Margaridas.



MOMENTOS


Postagens mais visitadas deste blog

COMUNICADO PÚBLICO #VidasRomanyImportam

  COMUNICADO PÚBLICO #VidasRomanyImportam É preciso dizer #Dosta #Basta   A Union Romani Iternactional – IRU/ Office Agency Brazil , por meio do escritório da AMSK/Brasil e de seus delegados/membros do Brasil e da Argentina, AICRON/Brasil, Observatorio de Mujeres Gitanas/AR - BR, Leshjae Kumpanja, ZOR/AR, Federação Romani e Academia de Letras Romani, Urban Nômades e suas representações estaduais , vem por meio desta expressar sua preocupação com a escalada de violência que está acontecendo no estado da Bahia desde o dia 13 de julho de 2021 – no município de Vitória da Conquista e redondezas.   #VidasRomanyImportam  #RomanyLivesImport   “São dias de terror” dizem alguns, outros relatam cenas de chacina, pavor e queima de carros e casas. No meio desse estouro de mais um episódio de violência, estão: um adolescente, mulheres vítimas de arma de fogo, crianças e idosos. Precisamos falar das manchetes midiáticas que retiram a identidade dessas pessoas e coaduna

#VidasRomanyImportam

 Sobre o caso: VITÓRIA DA CONQUISTA/BA Hoje, dia 19 julho de 2021 várias reuniões aconteceram e espera-se que tudo corra bem. As perseguições aos dois cidadãos acusados da morte dos dois policiais no dia 13/07 continua e foram elencados como criminosos mais seis membros da mesma família. Várias barreiras foram feitas. Consta também que várias pessoas pertencentes a família dos acusados, seguem presos... OPERAÇÃO MARTINELLI - esse é o nome apresentado de uma operação que começou ano passado, segundo a SSP/BA... https://agenciasertao.com/2021/07/19/policia-ainda-procura-por-seis-envolvidos-em-assassinatos-de-pms-na-zona-rural-de-vitoria-da-conquista/ https://agenciasertao.com/2020/07/16/operacao-prende-acusados-de-participar-do-assassinato-de-irmaos-em-carinhanha/ https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2020/07/29/homem-suspeito-de-integrar-quadrilha-apontada-como-responsavel-por-morte-de-irmaos-e-preso-na-ba.ghtml Pelo que se pode observar, foram: 2 Policiais mortos; 4 irmãos mortos (send

DIA DA RESISTÊNCIA ROMANI - 16 de Maio

Sinti e Roma sempre lutaram contra a privação de seus direitos e seu registro “racial” desde o início. Eles protestaram contra leis discriminatórias e tentaram obter a libertação de membros da família deportados através de petições ou intervenção pessoal. “Muitos dos nossos homens estavam na Grande Guerra e lutaram pela pátria, assim como por qualquer outra. No entanto, o Dr. Portschy não considerou isso. Dr. Portschy tirou todos os nossos direitos civis ... Sempre fomos católicos romanos e, portanto, vejo-me forçado a apresentar uma queixa de todos nós nos mais altos cargos do governo do Reich. ”(Carta de protesto de Franz Horvath de Redlschlag ao governo do Reich datado de 12.5.1938) Nota: Tobias Portschy, primeiro Gauleiter de Burgenland, foi uma das forças motrizes da “política racial” dirigida aos Sinti e Roma depois do “Anschluß” da Áustria. Poucas semanas depois de escrever a carta, Franz Horvath, 63 anos, foi preso como “manifestante” e deportado para o campo de con