Pular para o conteúdo principal

ASSEMBLÉIA DA RNPI - 2017 - JUNTOS SOMOS MAIS FORTES


Rede Nacional Primeira Infância pactua carta de ações estratégicas diante da atual crise política e econômica.


A Assembleia Geral da Rede Nacional Primeira Infância, reunida no Rio de Janeiro nos dias 29 e 30 de junho, aprovou uma carta interna sobre as prioridades estratégicas para a ação da RNPI diante do cenário político e econômico atual e seus impactos negativos no campo dos direitos das crianças brasileiras. A carta denuncia a deterioração das condições de vida das crianças e suas famílias em consequência da restrição orçamentária provocada pela Emenda Constitucional 95, que limita os investimentos na área social, bem como itens das reformas trabalhista e previdenciária, que agridem direitos fundamentais de trabalhadoras e trabalhadores, impactando a vida das crianças. E reafirma o projeto da RNPI e seu compromisso na defesa de políticas públicas voltadas às crianças na primeira infância, além de exaltar a potência do trabalho em rede (clique aqui para fazer download do documento oficial da Rede Nacional Primeira Infância).
O documento foi produto de um debate sobre conjuntura política e econômica que abriu a Assembleia Extraordinária. Claudius Ceccon, coordenador da secretaria executiva da RNPI/CECIP – Centro de Criação de Imagem Popular, abriu o encontro abordando o contexto político. “Nossa tarefa é pensar um novo Brasil em meio a tanta adversidade. A Rede Nacional Primeira Infância é um ator político neste jogo, e é preciso refletirmos juntos sobre nosso projeto de nação. O grande valor da Rede é nossa riqueza de experiências: temos desafios mas também temos recursos para solucioná-los”, afirmou Claudius.
Em seguida, iniciou-se uma roda de debate sobre as políticas públicas para a primeira infância e projetos de lei em tramitação no Congresso. Vital Didonet, assessor legislativo da RNPI, relatou uma série de riscos e retrocessos tanto no âmbito do poder executivo federal quanto no Congresso Nacional. “As políticas sociais estão sendo fragmentadas, o que leva ao isolamento de quem trabalha na sua concepção e implementação. A Emenda Constitucional 95, que congela os investimentos sociais até 2034,  é um grande entrave ao desenvolvimento social brasileiro. Precisamos estar conscientes e bem informados, e produzir documentos técnicos, passar para jornalistas, publicar em blogs para anunciar o novo possível”, afirmou Vital Didonet.....
A partir do debate estabelecido e com objetivo de organizar as ações dos integrantes da RNPI, a assembleia discutiu e aprovou por unanimidade uma carta estratégica de ações. O documento reafirma a importância da defesa do princípio da prioridade absoluta na garantia dos direitos da criança e adolescente, e convoca as organizações integrantes da RNPI para uma lista de ações estratégicas diante deste cenário. Entre as ações listadas, está a manutenção e ampliação de espaços democráticos de diálogo e participação e a necessidade de ampliar e aprofundar as ações de comunicação interna e externa, com o objetivo de disseminar conhecimentos e fortalecer a conexão dos integrantes da RNPI com outras organizações e com a  sociedade em geral. Outra ação estratégica ressaltada na carta é valorizar e reconhecer a ação das organizações que trabalham diretamente com crianças e suas famílias, convocando para que seus públicos conheçam e ampliem a consciência dos seus direitos e participem ativamente na sua reivindicação – bem como para que os dados e relatórios produzidos por estas organizações sejam reconhecidos como fonte de conhecimento e informação sobre a situação das condições de vida das crianças brasileiras.
“As crianças não são culpadas por nenhum dos males presentes, e não devem ser penalizadas pelas medidas de ajuste econômico. Sua vida, saúde, educação, alimentação, o brincar e o lazer, cultura, vínculos familiares e outros – devem ser preservados. Em momentos de crise, esses direitos carecem de proteção e cuidado ainda maior. Além disso, deve ser promovido o acesso de todas as crianças, de todas as infâncias brasileiras, às oportunidades de inclusão e desenvolvimento”, afirma o documento.


Rosa Maria Mattos
Comunicação


Secretaria Executiva da Rede Nacional Primeira Infância
CECIP - Centro de Criação de Imagem Popular
Rua da Glória, 190, sala 202, Glória, Rio de Janeiro, RJ. Cep: 20241-180
Telefone: (21) 2509-3812 / (21) 9 9445-9057
www.cecip.org.br

Postagens mais visitadas deste blog

24 DE MAIO - DIA NACIONAL DO POVO ROM (os assim chamados ciganos)

O Dia Nacional do Cigano, 24 de maio, foi instituído por Decreto Presidencial, 25 de maio de 2006, como ação afirmativa para salvaguarda e o respeito a cultura de um povo que faz parte do processo organizativo brasileiro.
As ações da Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK) desde o ano 2009 tem se dedicado ao levantamento, sistematização e ampla divulgação de informações sobre o Povo Rom (os assim chamados ciganos) quanto as suas especificidades, tradições, necessidades, condições de vida e obstáculos enfrentados no acesso a direitos fundamentais. E tem pautado os poderes públicos brasileiro para a necessidade do fortalecimento das capacidades dos agentes públicos para interpretação dos direitos e adequação dos serviços relacionados ao atendimento dessa parcela da população brasileira.
A Secretaria de Gestão Estratégia e Participativa do Ministério da Saúde (SGEP/MS) lançou no dia 10 de novembro de 2016, a cartilha Subsídiospara o Cuidado à Saúde do Povo Cigano, elaborada pelo De…

RNPI MANTEM A LUTA EM DEFESA DA PRIMEIRA INFÂNCIA

Carta aberta ao Ministério dos Direitos Humanos sobre Recomendações ao Brasil feitas no III Ciclo do Mecanismo de Revisão Periódica Universal (RPU) 
A REDE NACIONAL DA PRIMEIRA INFÂNCIA, articulação nacional de organizações governamentais e não-governamentais, comprometida com a defesa e promoção dos direitos das crianças de zero a seis anos de idade, analisando as Recomendações do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas vem expor e requerer o seguinte: 
1. A Revisão Periódica Universal (RPU), criada pela Assembleia Geral da ONU em 15 de março de 2006, pela Resolução 60/251, é importante instrumento para que os 193 Estados membros das Nações Unidas, de forma cooperativa, avancem no cumprimento de suas obrigações de direitos humanos; 
2. Conforme preconiza o artigo 227 da Constituição Federal de 1988, compete à família, a sociedade e ao poder público a proteção integral de crianças e adolescentes no Brasil, além de consagrar nesta Carta Política outras garantias fundamentais como a…

INFORMATIVO ATENDIMENTO A POVOS CIGANOS NO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS

Como desdobramento da Oficina “SUAS e o atendimento a Povos Ciganos”, realizada no dia 28 de junho de 2017, a Secretaria Nacional de Assistência Social do Ministério do Desenvolvimento Social (SNAS/MDS) lança o Informativo “Atendimento a Povos Ciganos no SUAS”com o objetivo de subsidiar os profissionais do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) no atendimento adequado aos Povos Ciganos, respeitando suas tradições e cultura. Conhecer um pouco das especificidades dos Povos Ciganos auxilia no combate à discriminação, preconceito e racismo institucional, propiciando maior visibilidade a este povo e garantindo o acesso a benefícios, serviços e direitos.
O documento é resultado do trabalho realizado pelo Departamento de Proteção Social Básica da SNAS/MDS com a colaboração da Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil). Fomentar a aplicação da política pública de assistência social para o Povo Rom – os assim chamados ciganos – no país. 
A AMSK/Brasil agradece a todas/os do Povo …