Mães sem filhos: Não as torne invisíveis

Coloco aqui um e-mail que recebemos essa semana.
Dava conta desta matéria/texto de opinião.
Pra lá de atual, resolvi reproduzi-la aqui.
Boa leitura a todos e todas, que conseguem compreender a dor
dos outros, bem de pertinho e quem sabe, ajudar a fazer dessa casa,
um planeta mais humana.

AMSK/Brasil

 Luciana Fuoco

Jornalista, mãe e empreendedora

Mães sem filhos: Não as torne invisíveis

Eu me senti desamparada. Eu me senti rejeitada por não ter dado ao público um bebê fofinho para ser visto.

Naquele domingo, acordei às 5h da manhã com a certeza de que Sofia nasceria. Eu estava de 30 semanas, internada havia um mês. Eu sabia que ela nasceria prematura, pois a bolsa já havia se rompido por completo com 28 semanas e o máximo que ela poderia ficar dentro de mim, nessas condições, seria até 34 semanas.
 
Embora o dia estivesse lindo e a luz do sol tentasse me trazer algum conforto, eu estava angustiada porque sabia que a cada dia que minha filha permanecia em meu útero seriam três dias a menos na UTI.
 
Por coincidência, naquele mesmo domingo ensolarado, uma passeata de ativistas da humanização do parto se fazia presente na porta do hospital. Eram as doulas protestando contra o impedimento de atuarem naquela instituição. Naquela época, eu não fazia ideia do quanto esse movimento era importante, o quanto essas mulheres me ajudariam no futuro e que eu me uniria a elas na mesma causa.
 
Por volta de 21h entrei em trabalho de parto efetivo. Eu sabia que Sofia viria, mãe sempre sabe. Minha menina nasceu, teoricamente, do jeito que sempre sonhei: de parto normal. Por mais que eu tivesse acabado de parir como sempre desejei, o medo tomava conta de mim. Meus poros exalavam a angústia da perda. Eu tinha muito medo que minha menina não sobrevivesse.
 
Quando você está ali, inerte, à espera de uma notícia, tudo passa pela sua cabeça. Eu era uma mãe, que acabara de parir, que não sabia nada sobre prematuridade e que só ansiava por notícias de sua filha. Eu soube que Sofia estava bem e que respirava sozinha, sem ajuda de aparelhos, porque meu obstetra foi buscar isso para mim. Ele saiu da sala de parto junto com a pediatra e voltou me trazendo boas novas.
A pediatra, a médica que deveria me acalmar e dizer que estava tudo bem, nem sequer me olhou nos olhos. Pelo contrário, impediu que minha mãe – que me acompanhava na sala de parto – tirasse uma foto de minha filha e me mostrou a pequena de longe, embrulhada em um cobertor térmico, dentro da incubadora. Eu só consegui ver seus olhinhos, que se abriram apenas para que pudéssemos trocar um breve olhar.
Depois disso, eu fui para o quarto e minha filha, para a UTI. Eu sabia que, dali por diante, cada dia seria uma vitória e que teríamos de viver um dia após o outro, devagar, focados no presente.
Naquele momento, eu era uma mãe sem bebê. E quem quer visitar uma mãe sem bebê? Poucas pessoas, eu afirmo. No momento mais frágil da minha vida, em que eu mais precisava de apoio emocional e força, familiares importantes nem sequer me telefonaram para me dar os parabéns pelo nascimento de minha filha.
Sou imensamente grata aos que foram me visitar, aos que foram me abraçar. Eu sabia que poderia contar com eles. Mas é justamente este o ponto em que levanto uma questão: quem se importa com o momento delicado que uma mãe passa? Quando é que a mãe angustiada por não ter seu bebê ao lado – e que mal sabe como serão seus dias seguintes – se torna invisível?
Sim, eu me senti invisível. Eu me senti desamparada. Eu me senti rejeitada por não ter dado ao público um bebê fofinho para ser visto.
Poucas pessoas estiveram ao meu lado para comemorar as pequenas vitórias ou ajudar a distrair da tensão diária. Eu passava 12 horas no hospital e me dividia entre estar com minha filha e ordenhar para que ela fosse alimentada com meu leite.
Jamais vou esquecer quando a Karina, uma amiga de faculdade que eu não via há anos, passou por lá para me levar para almoçar. Foram as duas horas mais incríveis daquele dia. Eu pude relaxar, mas, principalmente, pude me sentir amparada. Também lembro do sábado em que a Mariana e o Fabrício foram nos visitar ali mesmo, no saguão do hospital, e nos fizeram rir, muito. E o que dizer da Viviane, que foi resolver por mim as burocracias para que eu não ficasse sem receber por um trabalho?
Muitas outras pessoas me ajudaram, com sua presença, a manter minha sanidade mental, naquele momento tão dolorido e difícil. Sanidade mental: esse é o termo. Porque eu precisava disso e minha filha precisava que eu a tivesse também.
Eu ainda sofro quando me lembro das pessoas que fizeram que eu me sentisse invisível. Essa é uma dor que ainda não curei.
Depois de longos 36 dias, Sofia foi para casa. Hoje, eu comemoro mais um Dia das Mães ao lado da minha menina, que já veio para este mundo cheia de coragem. Mas, ao longo de nossa estada na UTI, conheci mães que não voltaram para suas casas com seus filhos e que tiveram de se despedir deles.
Não tratem o aborto espontâneo de uma mulher como "natural". Sabemos que a natureza é sábia, mas a dor é humana. Não importa se a gestação estava no comecinho, a dor da perda ela sempre vai carregar, porque é um filho que partiu. E, se vale uma dica, jamais diga: logo você tem outro. Um filho jamais substitui outro.
Não tratem a morte de um filho, seja com a idade que for, como tabu. Essas mulheres, no tempo delas, do jeito delas, querem falar de seus filhos e do tempo que puderam desfrutar ao lado deles. Quando elas falarem de seus filhos, não mudem de assunto, não tenham pena, apenas ofereçam sua escuta ativa e seu abraço. Comemorem junto delas a existência desse filho, porque ele sempre vai existir, mesmo que não esteja de corpo presente.
Eu só queria alertar que uma mãe sem bebê ainda é uma mãe. Não faça que essas mulheres se sintam invisíveis.
HuffPost Brasil




Postagens mais visitadas deste blog

RESOLUÇÃO CONANDA Nº 180 DISPÕE SOBRE A IGUALDADE DE DIREITOS DE MENINAS E MENINOS

24 DE MAIO - DIA NACIONAL DO POVO ROM (os assim chamados ciganos)

MANIFESTO EM DEFESA DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA – BPC