Pular para o conteúdo principal

8 DE ABRIL E A FALA RECONFORTANTE DE ZELJKO JOVANOVIC




O 8 DE ABRIL
Quarenta e cinco anos atrás, o primeiro Congresso Mundial Romani exigiu a autodeterminação e uma unidade internacional dos Rroma, abrindo caminho para uma reivindicação de uma nação romani não-estatal. Essa afirmação foi feita oficialmente no quinto Congresso Mundial de Romani em 2001. Mas foi ignorado em grande parte pelos formuladores de políticas e nos anos seguintes, as ambições para uma nação Rroma desapareceram.
O medo e a confusão sobre o que significaria uma nação romani contribuíram para o fim da idéia. Temeu-se que a lealdade aos ciganos de outros países pudesse entrar em conflito com a lealdade ao próprio Estado-nação e que um apelo a uma nação rom poderia ser visto como uma reivindicação territorial que levaria ao êxodo e derramamento de sangue. Do mesmo modo, tem havido uma confusão de que uma reivindicação para uma nação Rroma questiona a nossa cidadania existente ou estatuto de minoria étnica.
O medo e a confusão são refletidos a cada ano no 8 de abril, quando o Dia Internacional dos Rroma é celebrado com eventos inconsistentes. Existem eventos realizados por instituições e ONGs que mostram o seu trabalho sobre a pobreza, a educação, o emprego e os fundos da UE para ajudar os ciganos; Eventos de comemoração do Holocausto, embora haja outros dias dedicados ao luto desta história; E os eventos onde nós comemoramos nossas artes Romani, cultura, e história.
Estes acontecimentos não estão errados e são melhores do que nada, mas não conseguem expressar adequadamente o sentido da autodeterminação e da unidade internacional, que estão no cerne da identidade política romaní que foi estabelecida no primeiro Congresso Mundial de Romani em 8 de Abril de 1971.
No 8 de abril, precisamos de coragem para afirmar que nos vemos como pertencendo a um grupo que é igualmente valioso para as maiorias étnicas. Isto não significa que nós jogaremos por baixo do tapete o presente áspero ou trágico passado. Ao contrário, significa colocá-los exatamente no centro de nossa luta e aproximá-los não de uma posição de fraqueza, apatia e desesperança, mas de um lugar de dignidade, confiança e força.
No 8 de abril, precisamos dizer claramente que nossa identidade política vai além de nossa cultura étnica e nossa história compartilhada com anti-ciganos. Estes são os nossos pontos de partida do passado, mas não a nossa causa. Olhando para o futuro, nossa identidade política deve ser baseada em nossas aspirações compartilhadas e força coletiva. É aqui que está nossa causa.
Conhecemos nossas aspirações. Queremos que todas as pessoas ciganas se sintam protegidas de maus tratos e violência e tenham uma oportunidade justa de crescer e progredir com base nos seus esforços e méritos. Coletivamente, queremos ser os únicos a tomar decisões sobre nossa cultura e identidade, e queremos ser respeitados e tratados como iguais pelas populações majoritárias. Nós não queremos nada mais - mas também nada menos - do que outras pessoas e grupos.
Apesar das posições que ocasionalmente conflitam, demonstramos muitas vezes uma unidade política. Quando os ciganos de toda a Europa reagem aos desalojamentos forçados de Roma na França ou na Itália, quando mulheres romani ou LGBT advogam em nome de todos os Roma, e quando cristãos Roma defendem muçulmanos ciganos repatriados do Kosovo, podemos ver este potencial. Nós já nos unimos há décadas - agora precisamos fazer isso em uma escala maior.
Temos definitivamente mais vozes, apoiadores e oportunidades para construir uma unidade internacional e mais autodeterminação hoje do que em 1971. Portanto, temos mais responsabilidade em fazer do dia 8 de abril, o dia para se reconhecer o progresso que fizemos. É o dia em que discutimos nossos próximos objetivos políticos com coragem em nossos corações e clareza em nossas mentes.
Zeljko Jovanovic.
Trad. Ruiter "Petcha" Durdevic


AMSK/Brasil,

Postagens mais visitadas deste blog

24 DE MAIO - DIA NACIONAL DO POVO ROM (os assim chamados ciganos)

O Dia Nacional do Cigano, 24 de maio, foi instituído por Decreto Presidencial, 25 de maio de 2006, como ação afirmativa para salvaguarda e o respeito a cultura de um povo que faz parte do processo organizativo brasileiro.
As ações da Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK) desde o ano 2009 tem se dedicado ao levantamento, sistematização e ampla divulgação de informações sobre o Povo Rom (os assim chamados ciganos) quanto as suas especificidades, tradições, necessidades, condições de vida e obstáculos enfrentados no acesso a direitos fundamentais. E tem pautado os poderes públicos brasileiro para a necessidade do fortalecimento das capacidades dos agentes públicos para interpretação dos direitos e adequação dos serviços relacionados ao atendimento dessa parcela da população brasileira.
A Secretaria de Gestão Estratégia e Participativa do Ministério da Saúde (SGEP/MS) lançou no dia 10 de novembro de 2016, a cartilha Subsídiospara o Cuidado à Saúde do Povo Cigano, elaborada pelo De…

RNPI MANTEM A LUTA EM DEFESA DA PRIMEIRA INFÂNCIA

Carta aberta ao Ministério dos Direitos Humanos sobre Recomendações ao Brasil feitas no III Ciclo do Mecanismo de Revisão Periódica Universal (RPU) 
A REDE NACIONAL DA PRIMEIRA INFÂNCIA, articulação nacional de organizações governamentais e não-governamentais, comprometida com a defesa e promoção dos direitos das crianças de zero a seis anos de idade, analisando as Recomendações do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas vem expor e requerer o seguinte: 
1. A Revisão Periódica Universal (RPU), criada pela Assembleia Geral da ONU em 15 de março de 2006, pela Resolução 60/251, é importante instrumento para que os 193 Estados membros das Nações Unidas, de forma cooperativa, avancem no cumprimento de suas obrigações de direitos humanos; 
2. Conforme preconiza o artigo 227 da Constituição Federal de 1988, compete à família, a sociedade e ao poder público a proteção integral de crianças e adolescentes no Brasil, além de consagrar nesta Carta Política outras garantias fundamentais como a…

INFORMATIVO ATENDIMENTO A POVOS CIGANOS NO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS

Como desdobramento da Oficina “SUAS e o atendimento a Povos Ciganos”, realizada no dia 28 de junho de 2017, a Secretaria Nacional de Assistência Social do Ministério do Desenvolvimento Social (SNAS/MDS) lança o Informativo “Atendimento a Povos Ciganos no SUAS”com o objetivo de subsidiar os profissionais do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) no atendimento adequado aos Povos Ciganos, respeitando suas tradições e cultura. Conhecer um pouco das especificidades dos Povos Ciganos auxilia no combate à discriminação, preconceito e racismo institucional, propiciando maior visibilidade a este povo e garantindo o acesso a benefícios, serviços e direitos.
O documento é resultado do trabalho realizado pelo Departamento de Proteção Social Básica da SNAS/MDS com a colaboração da Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil). Fomentar a aplicação da política pública de assistência social para o Povo Rom – os assim chamados ciganos – no país. 
A AMSK/Brasil agradece a todas/os do Povo …