Pular para o conteúdo principal

PROJETO KALINKA NA ABERTURA DO EVENTO CIGANOS: RODAS E MEMÓRIAS NO ITEGO EM ARTES BASILEU FRANÇA

O evento “Ciganos: Rodas e Memórias” que teve início no dia 1 de junho de 2016, e segue até o dia 9 de junho de 2016, no Instituto Tecnológico de Goiás em Artes Basileu França, sob a organização das professoras Izabel Medeiros, Gisele Lopes e Fernanda Porto, da Coordenação de Artes Visuais, promoveu a participação da Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil) para proferir palestra e apresentação do Projeto Kalinka nas atividades de abertura da Vernissage.

A Professora Izabel Medeiros para organizar a Vernissage sob o tema “Ciganos” criou metodologia didática-pedagógica em sala de aula para promover aos discentes o conhecimento da história do povo romani (ciganos) no Brasil, a fim de diminuir o preconceito e a discriminação a esta parcela da população brasileira. Pesquisas sobre o modo de vida e as expressões culturais, e debates foram realizados antes do início da produção artística.

Foto: Girlaydy Costa
O resultado foi uma coletiva de pinturas com diversas técnicas, além de instalações realizadas pelas alunas e alunos do curso técnico em Produção Artística – Desenho e Pintura, sob a orientação das professoras Izabel Medeiros, Gisele Lopes e Fernanda Porto.

A abertura da Vernissage emocionou o público com as obras de artes, a apresentação dos músicos Professor Miguel Bernardo que com o seu acordeom entoou ritmos tradicionais romani, de Gustavo Duarte com os acordes do violão nos ritmos do flamenco, da família Castilho com a dança tradicional Rom Kaldarash. A AMSK/Brasil com a professora Lucimara Cavalcante apresentou o Projeto Kalinka que contou a história dos romani por intermédio das danças romani da Índia ao Leste Europeu, e com Elisa Costa que proferiu palestra “A arte como mecanismo de preservação, denuncia e perpetuação de um povo”.

Foto: Girlaydy Costa

Foto: Girlaydy Costa
Foto: Girlaydy Costa

Foto: Gustavo Duarte
Foto: Gustavo Duarte


Visite a exposição de artes que está aberta até o dia 9 de junho de 2016 na Galeria de Arte do Teatro Basileu França (Av. Universitária, 1750, Setor Universitário, Goiânia - GO), com entrada franca.

A AMSK/Brasil parabeniza as professoras Izabel Medeiros, Gisele Lopes e Fernanda Porto e aos discentes pelo belíssimo evento e que esta iniciativa possa ser um incentivo aos demais educadores no país a concepção e realização de metodologias didáticas-pedagógicas que contribuam na difusão de informações sobre a história do povo romani do Brasil.

A AMSK/Brasil agradece a obra de arte presenteada pelos discentes e docentes.

Foto: Girlaydy Costa

Parabéns a todas e todos que colaboraram na organização e realização do evento.

AMSK/Brasil



Programação Ciganos: Rodas e Memórias
Tradição cigana é tema de exposição no Basileu
Arte Cigana em Destaque no Basileu França

Arte cigana é tema de evento no Basileu França.
Exposição de arte e instalações, palestra, danças e exibição de filme compõem atividades do centro cultural. Programação vai até dia 9
http://www.opopular.com.br/editorias/magazine/arte-cigana-%C3%A9-tema-de-evento-no-basileu-fran%C3%A7a-1.1095031

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNICADO PÚBLICO #VidasRomanyImportam

  COMUNICADO PÚBLICO #VidasRomanyImportam É preciso dizer #Dosta #Basta   A Union Romani Iternactional – IRU/ Office Agency Brazil , por meio do escritório da AMSK/Brasil e de seus delegados/membros do Brasil e da Argentina, AICRON/Brasil, Observatorio de Mujeres Gitanas/AR - BR, Leshjae Kumpanja, ZOR/AR, Federação Romani e Academia de Letras Romani, Urban Nômades e suas representações estaduais , vem por meio desta expressar sua preocupação com a escalada de violência que está acontecendo no estado da Bahia desde o dia 13 de julho de 2021 – no município de Vitória da Conquista e redondezas.   #VidasRomanyImportam  #RomanyLivesImport   “São dias de terror” dizem alguns, outros relatam cenas de chacina, pavor e queima de carros e casas. No meio desse estouro de mais um episódio de violência, estão: um adolescente, mulheres vítimas de arma de fogo, crianças e idosos. Precisamos falar das manchetes midiáticas que retiram a identidade dessas pessoas e coaduna

#VidasRomanyImportam

 Sobre o caso: VITÓRIA DA CONQUISTA/BA Hoje, dia 19 julho de 2021 várias reuniões aconteceram e espera-se que tudo corra bem. As perseguições aos dois cidadãos acusados da morte dos dois policiais no dia 13/07 continua e foram elencados como criminosos mais seis membros da mesma família. Várias barreiras foram feitas. Consta também que várias pessoas pertencentes a família dos acusados, seguem presos... OPERAÇÃO MARTINELLI - esse é o nome apresentado de uma operação que começou ano passado, segundo a SSP/BA... https://agenciasertao.com/2021/07/19/policia-ainda-procura-por-seis-envolvidos-em-assassinatos-de-pms-na-zona-rural-de-vitoria-da-conquista/ https://agenciasertao.com/2020/07/16/operacao-prende-acusados-de-participar-do-assassinato-de-irmaos-em-carinhanha/ https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2020/07/29/homem-suspeito-de-integrar-quadrilha-apontada-como-responsavel-por-morte-de-irmaos-e-preso-na-ba.ghtml Pelo que se pode observar, foram: 2 Policiais mortos; 4 irmãos mortos (send

DIA DA RESISTÊNCIA ROMANI - 16 de Maio

Sinti e Roma sempre lutaram contra a privação de seus direitos e seu registro “racial” desde o início. Eles protestaram contra leis discriminatórias e tentaram obter a libertação de membros da família deportados através de petições ou intervenção pessoal. “Muitos dos nossos homens estavam na Grande Guerra e lutaram pela pátria, assim como por qualquer outra. No entanto, o Dr. Portschy não considerou isso. Dr. Portschy tirou todos os nossos direitos civis ... Sempre fomos católicos romanos e, portanto, vejo-me forçado a apresentar uma queixa de todos nós nos mais altos cargos do governo do Reich. ”(Carta de protesto de Franz Horvath de Redlschlag ao governo do Reich datado de 12.5.1938) Nota: Tobias Portschy, primeiro Gauleiter de Burgenland, foi uma das forças motrizes da “política racial” dirigida aos Sinti e Roma depois do “Anschluß” da Áustria. Poucas semanas depois de escrever a carta, Franz Horvath, 63 anos, foi preso como “manifestante” e deportado para o campo de con