Pular para o conteúdo principal

MULHERES CIGANAS: DA TRADIÇÃO AO FEMINISMO






A exposição - “Mulheres Ciganas: da Tradição ao Feminismo” levou um pouco da realidade e do dia a dia das mulheres de etnia romani pelo Brasil. Essa diversidade mostra que o estereótipo não tem mais lugar no dia a dia dos organismos público e governamentais, principalmente porque essa visão deturpada da realidade; impede com que todo o leque de diferenças seja visto, respeitado e valorizado.


“Mulheres Ciganas: da Tradição ao Feminismo”. Compuseram a mesa a Dra. Márcia Teixeira, Promotora de Justiça do Ministério Público do Estado da Bahia e Coordenadora do Grupo de Atuação Especial em Defesa da Mulher (GEDEM); Elisa Costa, Presidenta da AMSK/Brasil; Lucimara Cavalcante, coordenadora do Projeto Kalinka, da AMSK/Brasil; Sra. Selma Dantas, da comunidade Calon de Camaçari-BA; e a Sra. Maura Dantas, da comunidade Calon de Camaçari-BA.



 Lucimara, Selma e Maura

A audiência contou com a presença do Professor Jucelho Dantas, cigano de etnia Calon, da Universidade de Feira de Santana, Bahia; Carolaine e Giovana Dantas, jovens da comunidade Calon de Camaçari-BA; a Sra. Elenir Alves, coordenadora do Programa Todos pela Alfabetização (TOPA), da Secretaria de Educação do Governo do Estado da Bahia; a Sra. Cassi Coutinho, da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI), do Governo do Estado da Bahia; outros/as servidores e servidoras públicos/as, estudantes e integrantes do GEDEM e do Ministério Público do Estado da Bahia. 

A AMSK/Brasil, acredita que parcerias e encontros, com organismos como o GEDEM da Bahia, MPBa e ONU Mulheres, são instrumentos de grande impacto para a realização de mudanças verdadeiras na vida dessas mulheres. 

Pela primeira vez; Selma e Maura (comunidade de Camaçari) se sentaram em uma mesa e foram respeitosamente ouvidas em suas particularidades reais, seus sonhos, seus objetivos. Ressaltamos o apoio do irmão, Dr. Jucelho Dantas, presente todo o tempo, enriquecendo a discussão. 

Com a presença de Zanata Dantas e do Sr. Navie, grandes comunidades começaram a compreender a importância de suas mulheres terem voz. Sabemos que o caminho ainda é longo, mas abrirem suas portas a organismos sérios, começaram a mudar suas realidades. 

 As calins de Camaçari - mulheres orgulhosamente de etnia cigana.


Por fim, pelos braços do carinho, do diálogo, da compreensão e do respeito; o empoderamento dessas mulheres e a possibilidade de reconhecerem e redescobrirem em si mesmas uma vida mais justa; é totalmente possível. 

Resta-nos, em nome das mulheres da AMSK/Brasil, em memória as histórias de separação e de sofrimento, agradecermos as mulheres do Gedem, do MP da Bahia e da ONU Mulheres; toda a visibilidade que a missão pode proporcionar a essas mulheres. Sonhamos e acreditamos que as utopias apenas demoram o tempo de suas realizações. Não podemos mais perder uma geração de mulheres, para que o racismo, a miséria, a discriminação e o preconceito, não venham mais a condená-las já no ventre de suas mães; como ainda o é, até os dias de hoje.

AMSK/Brasil
Porque o trabalho, sempre é a melhor resposta.

Postagens mais visitadas deste blog

CONANDA E CNAS PRESTAM HOMENAGEM AO DIA NACIONAL DO POVO ROM – OS ASSIM CHAMADOS CIGANOS

No dia 24 de maio se celebra o Dia Nacional do Povo Rom – os assim chamados ciganos – do Brasil, instituído peloDecreto Presidencial de 26 de maio de 2006.
Conselheiras/os do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente (CONANDA), reunidos na 272ª Assembleia Ordinária, em Brasília - DF, prestam homenagem aos romani (ciganas e ciganos) do país, e parabenizaram a Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil), entidade da sociedade civil membro do CONANDA, pelos trabalhos realizados na defesa e garantia dos direitos humanos. A Conselheira Lucimara Cavalcante, representante da AMSK/Brasil, destacou as conquistas e os desafios para ação afirmativa ao Povo Rom (ciganos) do país, e disponibilizou a publicação “Datas de celebração e luta pelos direitos dos Povos Romani (Ciganos)” aos participantes.

Conselheiras/os do Conselho Nacional da Assistência Social (CNAS), reunidos na 264ª Reunião Ordinária, em Porto Alegre - RS, prestam homenagem aos romani do país, e em especial a…

13 de julho: 28 ANOS DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

A política nacional da criança e do adolescente, que se baseia no artigo 227 da Constituição Federal de 1988 e na Lei Federal n° 8.069/1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente. A partir desses instrumentos e em conformidade com a Convenção sobre os Direitos da Criança aprovada no âmbito das Nações Unidas em 1989, promulgada no Brasil pelo Decreto nº 99.710, de 21 de novembro de 1990, crianças e adolescentes passaram a ser reconhecidos como sujeitos de direitos (e não mais como meros objetos de intervenção), respeitadas sua condição peculiar de pessoa em desenvolvimento, a prevalência de seu interesse superior, a indivisibilidade de seus direitos e sua prioridade absoluta nas políticas públicas (PPA 2016-2019, p.104). Resguardar os direitos fundamentais da criança e do adolescente requer que os órgãos públicos e as organizações da sociedade civil, que integram o Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente (SGD), exerçam suas funções, em rede, a partir de três eixos e…

DIA DA RESISTÊNCIA ROMANI - 16 de Maio

Sinti e Roma sempre lutaram contra a privação de seus direitos e seu registro “racial” desde o início. Eles protestaram contra leis discriminatórias e tentaram obter a libertação de membros da família deportados através de petições ou intervenção pessoal.
“Muitos dos nossos homens estavam na Grande Guerra e lutaram pela pátria, assim como por qualquer outra. No entanto, o Dr. Portschy não considerou isso. Dr. Portschy tirou todos os nossos direitos civis ... Sempre fomos católicos romanos e, portanto, vejo-me forçado a apresentar uma queixa de todos nós nos mais altos cargos do governo do Reich. ”(Carta de protesto de Franz Horvath de Redlschlag ao governo do Reich datado de 12.5.1938) Nota: Tobias Portschy, primeiro Gauleiter de Burgenland, foi uma das forças motrizes da “política racial” dirigida aos Sinti e Roma depois do “Anschluß” da Áustria. Poucas semanas depois de escrever a carta, Franz Horvath, 63 anos, foi preso como “manifestante” e deportado para o campo de concentração de …