Pular para o conteúdo principal

PARTICIPAÇÃO SOCIAL - UM DIREITO, UMA CONQUISTA - ALGUMAS AÇÕES DA AMSK

Participação social é conquista histórica, diz Gilberto Carvalho 

 http://amskblog.blogspot.com.br/2014/06/manifesto-de-juristas-e-academicos-em.html

 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Decreto/D8243.htm

 http://www.participa.br/participacaosocial/gallery/guia-tecnico-orientador.pdf

E dizemos nós também. Participar da construção de um país é responsabilidade que não deve ser simplesmente passada para outrem e pronto. A história desse país já deixa isso claro. Pela participação sim, conjunta e clara, afinal de contas o nosso futuro está sendo escrito sem a nossa participação direta.

Relembrando: 


22 e 23 de maio de 2014/Na semana passada, Dilma editou um decreto que cria nove instâncias de negociação e comunicação com a sociedade civil. Embora já estivesse programada pelo Planalto desde 2010, a norma teve sua redação acelerada a partir das manifestações de junho do ano passado. O texto, que institui a Política Nacional de Participação Social (PNPS) e o Sistema Nacional de Participação Social (SNPS), oficializa a relação do governo com os setores organizados. Os integrantes não serão remunerados e as propostas apresentadas não precisam necessariamente ser levadas adiante pelo governo.

AMSK/Brasil 

Em 2014 mais algumas de nossas ações nos últimos meses do ano:


https://plus.google.com/photos/112725003011243859765/albums/6085341192010511713/6085343022982769970?banner=pwa&pid=6085343022982769970&oid=112725003011243859765

http://www.mpba.mp.br/visualizar.asp?cont=5863

http://mp-ba.jusbrasil.com.br/noticias/154577087/mp-promove-mostra-fotografica-e-palestra-sobre-luta-da-mulher-cigana-no-brasil

http://www.sinprodf.org.br/cef-12-ceilandia-ganha-premio-nacional-de-educacao-em-direitos-humanos/

http://www.ebah.com.br/content/ABAAAgid0AI/populacoes-nomades-itinerantes?part=5

http://www.nre.seed.pr.gov.br/fozdoiguacu/arquivos/File/Roteiro_DEDI_Itinerancia_27ago.pdf

http://justicaemfoco.com.br/arquivos_de_audio/1402714309.6-arquivo_pdf.pdf


http://fenatibref.org.br/plus/modulos/noticias/imprimir.php?cdnoticia=97

http://www.redehumanizasus.net/86509-eu-voce-e-os-ciganos

http://www.abruc.org.br/003/00301015.asp?ttCD_CHAVE=238702

https://dpuespecial.wordpress.com/page/14/

http://www.prograd.uff.br/geografia/aggregator/categories/3



                          

 

Yara Aquino – Repórter da Agência Brasil

O secretário-geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, defendeu, hoje (3), a manutenção do decreto que institui a Política Nacional de Participação Social, assinado pela presidenta Dilma Rousseff no final de maio. O decreto, que consolida a participação social como método de governo e fortalece instâncias como os conselhos e as conferências, tem sido alvo de críticas da oposição no Congresso Nacional.

O ministro argumentou que a política foi construída num longo processo de debate com os movimentos sociais e que só poderia atribuir a uma "excessiva vontade de perseguição" a intenção de parlamentares de anular o decreto.

"Não acredito que o Congresso Nacional praticará esse ato de simplesmente querer anular aquilo que é uma conquista histórica da democracia brasileira, que é a participação social. Queria fazer um apelo para que as pessoas, pelo menos neste caso, tirassem aquilo que falei da leitura apenas eleitoral de cada ato do governo", disse o ministro após participar de seminário no Palácio do Planalto.

Segundo Carvalho, o decreto não invade ou fere as prerrogativas do Poder Legislativo, diferentemente do que têm dito alguns parlamentares. "Ninguém está obrigado a criar nada. O que a presidenta Dilma fez é um processo que ajuda no funcionamento para dar mais eficácia àquilo que os conselhos produzem. Só ajuda, não atrapalha em nada, não engessa nada e não fere as prerrogativas e o papel do Legislativo", reforçou o ministro.

Carvalho lembrou que os conselhos existem no Brasil desde 1937 e que as conferências de participação social são realizadas desde 1941. "É própria de qualquer democracia madura a prática de ouvir a sociedade. O que o decreto faz é simplesmente regulamentar, estimular a ampliação daquilo que já existe."

De acordo com o ministro, só se pode entender como desconhecimento ou como um excessivo processo de debate eleitoral a interpretação de que o governo queira "fazer um processo de ditadura no Brasil, de ofender o Legislativo".

O decreto foi assinado pela presidenta Dilma Rousseff no dia 23 de maio, durante a Arena de Participação Social, evento que reuniu representantes de organizações da sociedade civil, pesquisadores e gestores públicos.

O texto estabelece objetivos e diretrizes relativos ao conjunto de mecanismos criados para compartilhar decisões sobre programas e políticas públicas, tais como conselhos, conferências, ouvidorias, mesas de diálogo, consultas públicas, audiências públicas e ambientes virtuais de participação social.

Brasil Cigano - Prestação de Contas/2013



“Brasil Cigano: I Semana Nacional dos Povos Ciganos ( Prestação de Contas )


EXTRATO DOS RECURSOS FINANCEIROS INVESTIDOS NO "BRASIL CIGANO



- I SEMANA NACIONAL DOS POVOS CIGANOS, 20 A 24 DE MAIO DE 2013".


09 passagens aéreas – Ministério da Educação 8.523,40

34 passagens aéreas - SEPPIR 39.991,45 Infra-estrutura, hospedagem, criação gráfica - SEPPIR 278.902,97

Alimentação e impressão de materiais - Ministério da Cultura 175.173,24



TOTAL 502.591,06




A definição da lista de participantes ocorreu de acordo com os seguintes critérios:



1. Garantir a presença e participação de lideranças, priorizando aquelas que já mantémdiálogo com as estruturas do Estado brasileiro. O convite a essas lideranças foi feito com o objetivo de reconhecer e potencializar sua experiência e conhecimento sobre os processos de diálogo e formulação de políticas públicas para os povos ciganos.


2. Novas lideranças, ou seja, aquelas que até o momento não haviam estabelecido um diálogo sistemático com o governo federal, mas que já exerciam um papel fundamental em suas comunidades, sejam elas localizadas em pequenos ranchos, acampamentos ou distribuídas em bairros em diferentes municípios brasileiros. O convite a essas lideranças foi feito com o objetivo de ampliar o leque de representações ciganas que dialogam com o Estado e contribuir para o rompimento do isolamento que caracteriza essas comunidades no que diz respeito ao acesso às políticas públicas.


3. Garantia de representatividade de pessoas das diversas etnias romani, e das diversas regiões do país. A lista de participantes foi organizada com a contribuição de instituições governamentais e da sociedade civil, responsáveis pela organização da atividade: SEPPIR, Ministério da Cultura, Secretaria de Direitos Humanos, Ministério da Saúde, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Ministério da Educação, Ministério do Meio Ambiente, Governo do
Distrito Federal, AICROM-Brasil/GO - Associação Internacional da Cultura Romani; AMSKBrasil/DF - Associação Internacional Maylê Sara Kalí; ANEC/GO - Associação Nacional das Etnias Ciganas; APRECI/PR - Associação de Preservação da Cultura Cigana; CEDRO/SP - Centro de Estudos e Discussão Romani e Grupo Leshjae Kumpanja/AL.



Luana Lazzeri Arantes



Secretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais- SECOMT
Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial - SEPPIR
Presidência da República
Esplanada dos Ministérios, Bloco A, 9° andar
CEP: 70.054-906
Fones: (61) 2025 7165
http://www.seppir.gov.br/

Postagens mais visitadas deste blog

Porrajmos – O Holokausto Romani

O CRESCIMENTO DA @RROMAFOBIA E DO @ANTIGITANISMO NA EUROPA E AMÉRICA LATINA



Após passados 75 anos da noite de 02 de agosto de 1944, Auschwitz ainda continua vivo, com suas câmaras de gás, seus fornos humanos.
A deflagração da guerra trouxe mais restrições aos ciganos e, em 16 de dezembro de 1942, Himmler ordenou a deportação de todos os "ciganos, mestiços, ciganos romanos e membros de tribos ciganas de origem balcânica com sangue não alemão" para um campo de concentração. Uma ordem do Escritório Central de Segurança da SS Reich, de 20 de janeiro de 1943, especificava que eles seriam deportados para o campo de concentração (campo cigano) de Auschwitz.
Rainer Schulze O texto acima é do professor de História Européia Moderna  na Universidade de Essex e programador da  Semana Holocausto do Memorial da Universidade de Essex.
Entretanto cuidado, pode facilmente ser confundida com os dias de hoje. Não faltam semelhanças. Pelo ao menos duas realidades foram vivenciadas pela Rromá no…

PESQUISA ... ALTERA 7ª Edição

AMSK/Brasil

AMSK E A COMISSÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL – SECCIONAL RONDÔNIA REALIZAM DIÁLOGOS SOBRE A RESOLUÇÃO 181/2016 DO CONANDA

A Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil), o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente (CONANDA), Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério dos Direitos Humanos, e Ministério dos Direitos Humanos, realizou no dia 27 de novembro de 2018, o workshop Diálogos entre redes e fóruns de promoção e proteção dos direitos da criança e adolescente: perspectivas e desafios a partir da resolução nº 181/2016 do CONANDA, em parceria com a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia e a Casa de Cultura Ilê Asé D’Osoguiã (CCIAO). O evento realizado no Auditório da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia teve a participação de representações do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente Estadual e Municipal, de movimentos sociais e organizações da sociedade civil atuantes na defesa dos direitos de crianças e adolescentes, e de profissionais da rede pública de promoção e prote…