Pular para o conteúdo principal

CHAVORÉS RROMANI - AS CRIANÇAS DE ETNIA ROMANÍ

http://cozinhadosvurdons.blogspot.com.br/2012/01/bersa-bibahtale-os-anos-infelizes.html

http://cozinhadosvurdons.blogspot.com.br/2012/02/inclusao-como-caminho-ii.html 

EDUCAR PARA PROTEGER, PROTEGER PARA RESPEITAR.
EDUCAÇÃO, SAÚDE E CULTURA.

Nossa receita do dia:

Primeiro separe os ingredientes, você vai precisar:

1. Fôlego e ânimo, depois que começar a expandir sua mente, ela não poderá ficar inerte, pode desandar a receita,

2. Erre até aprender a hora certa, esse ponto terá de ser dado devagar, procure os produtos e se preciso for, crie um,

3. Busque conhecer a realidade das coisas pelos olhos do NÓS, nossas crianças, nossas receitas, ajuda a não solar o bolo,

4. Procure acrescentar idéias novas à realidade do seu dia a dia e tente mudar o que está ao alcance da sua mão. Vai se surpreender do quanto se pode fazer com tão pouco.

Depois de assado o bolo, que tanto faz ser em Brasília, São Paulo, Paraíba ou conter ingredientes mais elaborados; corte – o com as mãos e distribua a quem encontrar. Na escola, na clínica, na padaria, no trabalho. E dá certo, funciona.

É tão somente a luz do conhecimento e do envolvimento que podemos nos tornar plenas de direito. Precisamos conhecer para mudar, aprender a distancia dos nossos braços e ter a certeza de que podemos ajudar na construção de dias mais plenos de direitos e deveres.

Essa é a nossa receita e é destinada a todas nós mulheres, de todas as classes e etnias. 

Fazer valer e ajudar a melhorar o Estatuto da Criança e do Adolescente no nosso país é a maior participação que podemos ter na vida das nossas crianças, futuros adultos, que desde pequenos já são cidadãos.

Podemos até ser uma gota no oceano, mais podemos fazer com que ele transborde. 

O que estamos fazendo: Projeto Kalinka

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já têm a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos. (Fernando Pessoa)

Cozinha dos Vurdóns/AMSK






A INCLUSÃO COMO CAMINHO

No último dia 5 de fevereiro, em Sofia, Bulgária, a Secretária de Estado do governo dos Estados Unidos Hillary  Clinton anunciou a adesão dos EUA à Década pela Inclusão Roma 2005-2015 - uma iniciativa sem precedentes lançada em fevereiro de 2005 por um grupo de países europeus a partir da qual seus governos assumiram o compromisso de garantir a inclusão social e a melhoria das condições socioeconômicas da população cigana. Atualmente, 12 países fazem parte desta iniciativa: Albânia, Bósnia e Herzegovina, Búlgaria, Croácia, Eslováquia, Espanha, Hungria, Macedônia, Montenegro, República Tcheca, Romênia e Sérvia. Os EUA passaram a integrar este grupo de países na qualidade de observador.

O discurso de Hillary Clinton nos chamou a atenção e nos alegrou, pois comunicou muito do que acreditamos. Logo no início de sua fala, proferida para um grupo de jovens profissionais ciganos e ciganas, ela afirma: 

"Acredito que os homens e mulheres que estão em torno desta mesa nos fazem lembrar das lições corroboradas pela história: de que a discriminação, em qualquer lugar e contra qualquer pessoa, afeta a dignidade humana de todos nós; de que a persistência, apesar de todas as dificuldades, pode vencer o preconceito; e de que o talento apenas necessita de oportunidade para florescer.

Posteriormente, ela afirma:

"Por muito tempo os cidadãos e cidadãs ciganos têm sido marginalizados e isolados, impedidos de contribuírem com seus talentos e participarem das sociedades das quais fazem parte. Esta é uma questão central para os direitos humanos e afeta milhões de homens, mulheres e crianças no continente. (...) Em qualquer sociedade é também um erro não promover o amplo acesso à educação para todas as crianças e, em muitos lugares, as crianças ciganas frequentam escolas de menor qualidade, e em alguns casos, segregadas".
(Para ler o discurso completo de Hillary Clinton, acesse www.romadecade.org).  

O preconceito e a discriminação têm impactos profundos sobre aqueles e aquelas que os sofrem, mas não podemos esquecer dos impactos gerados sobre as pessoas em geral, sobre nossa humanidade. É a luz de nossa própria dignidade humana que se enfranquece a cada palavra, a cada ato discriminatório. O ciclo vicioso de exclusão e violência se estabelece, afetando a sociedade como um todo, sua organização e seu desenvolvimento; afetando cada pessoa, homens, mulheres, crianças e adolescentes. É assim que as pontes são destruídas ou sequer construídas. 

A informação e a educação têm um papel central no rompimento deste ciclo. Temos repetido isso como insistentemente... Elas são o concreto que possibilita a construção de pontes; são o tradutor e o mediador que garantem o diálogo entre diferentes; são a água cristalina que faz os campos florescerem, com todas as suas cores e matizes! É nisso que acreditamos!



Postagens mais visitadas deste blog

CONANDA E CNAS PRESTAM HOMENAGEM AO DIA NACIONAL DO POVO ROM – OS ASSIM CHAMADOS CIGANOS

No dia 24 de maio se celebra o Dia Nacional do Povo Rom – os assim chamados ciganos – do Brasil, instituído peloDecreto Presidencial de 26 de maio de 2006.
Conselheiras/os do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente (CONANDA), reunidos na 272ª Assembleia Ordinária, em Brasília - DF, prestam homenagem aos romani (ciganas e ciganos) do país, e parabenizaram a Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil), entidade da sociedade civil membro do CONANDA, pelos trabalhos realizados na defesa e garantia dos direitos humanos. A Conselheira Lucimara Cavalcante, representante da AMSK/Brasil, destacou as conquistas e os desafios para ação afirmativa ao Povo Rom (ciganos) do país, e disponibilizou a publicação “Datas de celebração e luta pelos direitos dos Povos Romani (Ciganos)” aos participantes.

Conselheiras/os do Conselho Nacional da Assistência Social (CNAS), reunidos na 264ª Reunião Ordinária, em Porto Alegre - RS, prestam homenagem aos romani do país, e em especial a…

13 de julho: 28 ANOS DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

A política nacional da criança e do adolescente, que se baseia no artigo 227 da Constituição Federal de 1988 e na Lei Federal n° 8.069/1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente. A partir desses instrumentos e em conformidade com a Convenção sobre os Direitos da Criança aprovada no âmbito das Nações Unidas em 1989, promulgada no Brasil pelo Decreto nº 99.710, de 21 de novembro de 1990, crianças e adolescentes passaram a ser reconhecidos como sujeitos de direitos (e não mais como meros objetos de intervenção), respeitadas sua condição peculiar de pessoa em desenvolvimento, a prevalência de seu interesse superior, a indivisibilidade de seus direitos e sua prioridade absoluta nas políticas públicas (PPA 2016-2019, p.104). Resguardar os direitos fundamentais da criança e do adolescente requer que os órgãos públicos e as organizações da sociedade civil, que integram o Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente (SGD), exerçam suas funções, em rede, a partir de três eixos e…

DIA DA RESISTÊNCIA ROMANI - 16 de Maio

Sinti e Roma sempre lutaram contra a privação de seus direitos e seu registro “racial” desde o início. Eles protestaram contra leis discriminatórias e tentaram obter a libertação de membros da família deportados através de petições ou intervenção pessoal.
“Muitos dos nossos homens estavam na Grande Guerra e lutaram pela pátria, assim como por qualquer outra. No entanto, o Dr. Portschy não considerou isso. Dr. Portschy tirou todos os nossos direitos civis ... Sempre fomos católicos romanos e, portanto, vejo-me forçado a apresentar uma queixa de todos nós nos mais altos cargos do governo do Reich. ”(Carta de protesto de Franz Horvath de Redlschlag ao governo do Reich datado de 12.5.1938) Nota: Tobias Portschy, primeiro Gauleiter de Burgenland, foi uma das forças motrizes da “política racial” dirigida aos Sinti e Roma depois do “Anschluß” da Áustria. Poucas semanas depois de escrever a carta, Franz Horvath, 63 anos, foi preso como “manifestante” e deportado para o campo de concentração de …