Pular para o conteúdo principal

Músicas

Aqui e aos poucos vão aparecendo as cores da música Romani pelo mundo.

Opré romale

http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&NR=1&v=AuFiBjNTB9o

https://www.youtube.com/watch?v=Al3UwzmeCkc

 http://www.youtube.com/watch?v=aSZcRrGpOdc&feature=related

Húngria e a sua canção tradicional:

Hungarian Gypsy Music with Guitars – Berntem En
“ Bementem én gyarmatra” from the album Hungarian Gypsy Music with Guitars.

Ando Drom – Na Mangav Me Ratyija

Ando Drom – Na Mangav Me Ratyija

“Na Mangav Me Ratyija” by Ando Drom from the album Muro Nav
Na mangav me ratyija
Le romnya ke gilaben
Te kamel ma na mishto
Chi dikhel ma, muro rom

Opa di di di… Opa di di da…
English
I don’t want liquour
The women are singing
He doesn’t really love me
My husband doesn’t look at me

Opa di di di… Opa di di da…
Português
Eu não quero liquour
As mulheres estão cantando
Ele não me ama de verdade
Meu marido não me olha

Opa di di di di di ... Opa da ...


Música da Itália   


 


Postagens mais visitadas deste blog

CONANDA E CNAS PRESTAM HOMENAGEM AO DIA NACIONAL DO POVO ROM – OS ASSIM CHAMADOS CIGANOS

No dia 24 de maio se celebra o Dia Nacional do Povo Rom – os assim chamados ciganos – do Brasil, instituído peloDecreto Presidencial de 26 de maio de 2006.
Conselheiras/os do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente (CONANDA), reunidos na 272ª Assembleia Ordinária, em Brasília - DF, prestam homenagem aos romani (ciganas e ciganos) do país, e parabenizaram a Associação Internacional Maylê Sara Kalí (AMSK/Brasil), entidade da sociedade civil membro do CONANDA, pelos trabalhos realizados na defesa e garantia dos direitos humanos. A Conselheira Lucimara Cavalcante, representante da AMSK/Brasil, destacou as conquistas e os desafios para ação afirmativa ao Povo Rom (ciganos) do país, e disponibilizou a publicação “Datas de celebração e luta pelos direitos dos Povos Romani (Ciganos)” aos participantes.

Conselheiras/os do Conselho Nacional da Assistência Social (CNAS), reunidos na 264ª Reunião Ordinária, em Porto Alegre - RS, prestam homenagem aos romani do país, e em especial a…

13 de julho: 28 ANOS DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

A política nacional da criança e do adolescente, que se baseia no artigo 227 da Constituição Federal de 1988 e na Lei Federal n° 8.069/1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente. A partir desses instrumentos e em conformidade com a Convenção sobre os Direitos da Criança aprovada no âmbito das Nações Unidas em 1989, promulgada no Brasil pelo Decreto nº 99.710, de 21 de novembro de 1990, crianças e adolescentes passaram a ser reconhecidos como sujeitos de direitos (e não mais como meros objetos de intervenção), respeitadas sua condição peculiar de pessoa em desenvolvimento, a prevalência de seu interesse superior, a indivisibilidade de seus direitos e sua prioridade absoluta nas políticas públicas (PPA 2016-2019, p.104). Resguardar os direitos fundamentais da criança e do adolescente requer que os órgãos públicos e as organizações da sociedade civil, que integram o Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente (SGD), exerçam suas funções, em rede, a partir de três eixos e…

DIA DA RESISTÊNCIA ROMANI - 16 de Maio

Sinti e Roma sempre lutaram contra a privação de seus direitos e seu registro “racial” desde o início. Eles protestaram contra leis discriminatórias e tentaram obter a libertação de membros da família deportados através de petições ou intervenção pessoal.
“Muitos dos nossos homens estavam na Grande Guerra e lutaram pela pátria, assim como por qualquer outra. No entanto, o Dr. Portschy não considerou isso. Dr. Portschy tirou todos os nossos direitos civis ... Sempre fomos católicos romanos e, portanto, vejo-me forçado a apresentar uma queixa de todos nós nos mais altos cargos do governo do Reich. ”(Carta de protesto de Franz Horvath de Redlschlag ao governo do Reich datado de 12.5.1938) Nota: Tobias Portschy, primeiro Gauleiter de Burgenland, foi uma das forças motrizes da “política racial” dirigida aos Sinti e Roma depois do “Anschluß” da Áustria. Poucas semanas depois de escrever a carta, Franz Horvath, 63 anos, foi preso como “manifestante” e deportado para o campo de concentração de …